Empreendedorismo

Planejamento estratégico: 4 formas de empreender em 2017

Toda empresa se esforça para fazer algo único, como resolver um problema ou atender uma nova demanda que está à frente do seu tempo, no entanto, os casos de sucesso são para poucos que conseguem aliar a criatividade ao planejamento estratégico.

Nesse sentido, espera-se que o ano de 2017 promova um clima favorável para novas oportunidades em muitos setores ao redor do mundo, o que não será diferente no Brasil. Com o grande aumento da população, há uma demanda cada vez maior por tecnologia, alimentação saudável, moda e várias outras tendências para explorar.

É justamente por essa razão que eu trouxe para vocês 5 dicas para empreender de forma inovadora e faturar bastante no próximo ano. Ah, e não importa se você já tem uma empresa e ou se a intenção é começar com um novo projeto. Venha se inspirar e aprender um pouco mais!

1. Negócios digitais

Esse é o mercado do momento, e basicamente qualquer tipo de profissional pode encontrar uma oportunidade para estabelecer um negócio digital com base no que faz de melhor. Lembrando que nem sempre é preciso investir uma fortuna para começar, já que o que mais importa aqui é a visão empreendedora.

Confira as duas principais tendências para o próximo ano:

E-commerce

Segundo uma pesquisa elaborada pelo portal Ebit, que estuda os índices das vendas online no Brasil, só o primeiro semestre de 2016 movimentou cerca de R$ 20 bilhões, um aumento de 5,2% em relação ao ano anterior. E os números são ainda maiores para 2017.

O e-commerce é também uma ideia interessante para quem quer expandir as vendas e oferecer os produtos e serviços da loja física nessa plataforma digital. A legislação é simplificada e não há barreiras para alcançar novos públicos nesse mercado promissor.

Consultoria online

Um dos principais benefícios que a tecnologia trouxe para profissionais especializados. A consultoria virtual pode funcionar como modelo home office ou com pequenas equipes, onde o importante é garantir a qualidade e transparência dos serviços. É uma ótima oportunidade para quem tem qualificação, mas não quer investir muito dinheiro.

2. Franquias

Vocês já leram meu artigo sobre as fases para aprender a lidar se escolher abrir uma franquia? Se a sua ideia é seguir esse caminho, não deixe de conferir, eu tenho muitas dicas interessantes para compartilhar lá!

Mas não pare por aqui, você sabe o que o ano de 2017 vai trazer para agregar valor no segmento de franchising? Veja o que encontrei em minhas pesquisas:

Quiosques

Com possibilidade de trabalhar em grandes marcas, mas em um modelo de negócios mais enxuto e barato, os quiosques são uma ótima oportunidade para quem quer se tornar um franqueado de sucesso. São diversas opções: beleza, artigos esportivos, alimentação ou bebidas.

Tudo depende onde você prefere atuar, mas em geral, essa estrutura costuma ser um ótimo investimento para empreendedores que querem diversificar a atividade. Além de tudo, são bem lucrativos e é possível contar com o suporte da franqueadora.

Serviços

Não se engane: abrir uma franquia não é algo exclusivo para quem quer vender produtos. Se você é especialista em alguma área, mas não tem prática em elaborar um plano de negócios, essa pode ser a oportunidade que faltava. Medicina, TI e gestão financeira contam com boas projeções para 2017.

3. Alimentação

Esse setor apresenta resultados excelentes para quem pretende abrir um novo negócio. Veja o que os especialistas recomendam para o empreendedorismo no setor:

Comida saudável

Não só no Brasil, mas em todo mundo, a alimentação saudável é responsável por movimentar bilhões, além de ser um mercado cheio de possibilidades. Onde temos cada vez menos tempo, achar uma solução para atender um público específico é o que pode trazer mais rentabilidade.

Um grande exemplo foi o da empresa Uuulalá, projeto de um grupo de empreendedoras em São Paulo para entregar sucos saudáveis de forma sustentável. A ideia foi criativa e ainda pouco explorada na cidade, onde um planejamento estratégico se fez presente para alcançar a estimativa de lucros na casa dos R$4 milhões no ano passado. Não é um bom negócio?

Food Trucks

Estrutura simples e inovadora, capaz de entregar produtos frescos e com qualidade artesanal. A versatilidade é um ponto forte, impulsionando esse novo modelo como uma grande tendência para quem deseja investir em alimentação nos próximos anos.

São diversos layouts de apresentação, onde o que importa é a criatividade e comida boa, já que recebem uma excelente aprovação do público. A crescente demanda já fez com que várias cidades criassem encontros gastronômicos de restaurantes móveis.

4. Investir em aplicativos e softwares

Mesmo com as dicas anteriores, se você já possui uma empresa e quer melhorar o desempenho da atividade, a dica que deixo é aplicar os recursos em capacitação e tecnologia para padronizar a produção e automatizar os processos de gestão.

Confira onde investir para trazer benefícios em seu planejamento estratégico durante o ano de 2017:

  • Aplicativos de gestão: praticidade e melhora no desempenho do negócio.
  • Cursos de administração: personalizar sua empresa e acompanhar o mercado.
  • Antivírus: proteção extra para dados e e-mail.
  • Computação na nuvem: redução de custos e mobilidade para seu gerenciamento.

É importante conhecer bem o que você pretende investir, portanto, buscar aplicativos que podem ser testados antes da compra, já que isso é um grande diferencial. Para entender melhor esse tema, recomendo que você leia meu artigo sobre o que é um sistema de gestão para entender melhor como ele vai facilitar o trabalho na sua empresa.

5. Atenção às tendências e novos negócios

A melhor forma de escolher o investimento certo é acompanhar como o mercado movimenta e buscar soluções inteligentes para os setores que ainda carecem de um serviço de qualidade. Lembre-se: o conhecimento e a vontade de crescer são seus principais aliados em uma jornada empreendedora, sendo assim, fique por dentro das novidades e técnicas para seguir na direção correta.

Bom, se você chegou até o fim desse post, isso significa que você tem determinação e gosta de pesquisar bastante antes de colocar em prática seu planejamento estratégico para 2017. Não perca nunca o foco e lembre-se de que pode sempre voltar aqui para aprender um pouco mais.

E então, gostou dessas dicas? Não esqueça de compartilhar nas redes sociais, quem sabe alguém da sua rede quer embarcar no empreendedorismo e virar seu sócio? Espero você aqui nos próximos artigos!

Read More...

Empreendedorismo

Por que a sua empresa precisa ter uma boa gestão da qualidade?

Hoje eu vim falar sobre como a gestão da qualidade tem sido um assunto tratado com muita importância pela maioria das empresas, inclusive aquelas pequenas e médias, que estão dando seus primeiros passos no universo do empreendedorismo.

É verdade que a exigência do mercado vem aumentando. Os clientes estão buscando não só uma maior qualidade, mas também características que satisfaçam suas expectativas e necessidades. Por isso, quem não se adéqua pode estar perdendo oportunidades não de venda, divulgação e crescimento.

Portanto, no post de hoje eu vou explicar um pouco mais sobre gestão da qualidade para que você entenda como ela pode ajudar o seu negócio.

O que é gestão da qualidade?

A gestão da qualidade compreende qualquer atividade que tenha o objetivo de dirigir e controlar uma organização. O sentido é trazer melhorias para produtos ou serviços, sempre buscando garantir a completa satisfação das necessidades dos clientes — seja em relação ao que está sendo oferecido ou à superação de suas expectativas.

Essa gestão é feita através de processos contidos no sistema de gestão da qualidade (SGQ), que abrangem e suportam toda a estratégia da organização, contribuindo para a melhoria contínua.

Estágios da gestão da qualidade

A gestão da qualidade é composta por alguns estágios, tanto para empresas que oferecem produtos quanto para as de serviço. São eles: análises e melhorias de processos, organização, eliminação de improvisos, planejamento, controle, implementações e educação continuada.

Certificação ISO 9001

A Certificação ISO 9001 é uma grande referência de implementação dessas estratégias e normas. As organizações certificadas pela ISO (International Organization for Standardization) se tornam reconhecidas pela competência no que oferecem, atendendo requisitos de qualidade internacionais.

Essa norma guia a empresa a realizar um trabalho focado no gerenciamento por processos. Isso é feito através de aprimoramento por meio de monitoramentos dos objetivos e indicadores, possibilitando aos gestores as melhores tomadas de decisões, além de facilitar possíveis ações de correção e prevenção. O ISO 9001 foca também na melhoria e aperfeiçoamento constantes e na satisfação dos clientes.

Quais são os benefícios?

Os ganhos com a implantação de uma boa gestão da qualidade afetam os mais diversos setores do negócio, desde a redução dos custos operacionais — uma vez que se eleva a eficiência, diminuindo os gastos — até o aumento da satisfação e fidelização de clientes — por garantir (ou até superar) as expectativas.

Os colaboradores passam a trabalhar com mais eficiência e entendimento das suas atividades, mais motivados e com melhor desempenho. Aumenta também a transferência de conhecimento entre os membros da organização, pelo fato de todos os funcionários e gestores priorizarem a excelência.

Para que o nível de comprometimento da organização seja alto e os objetivos sejam atingidos, é preciso que todos estejam engajados na causa e que haja um forte apoio dos líderes e da alta direção.

Investir na implementação da gestão da qualidade na sua empresa possibilita o aumento da produtividade, eleva a economia de recursos, diminui as chances de retrabalho e, principalmente, ajuda a empresa a oferecer o melhor produto para o seu cliente. Sem contar com o aumento da sua competitividade e visibilidade no mercado!

Espero que esse conteúdo tenha te ajudado! Quer ficar sempre por dentro das novidades aqui do blog? Curta nossa página do Facebook para receber as informações que eu compartilho por lá!

Read More...

Tecnologia

Quando 1 vale mais que 100 no seu e-commerce

Abrir um negócio não é fácil. O primeiro negócio, então, é ainda mais difícil.

As dificuldades para quem está começando são diversas: o tempo e a energia para se dedicar ao empreendimento, experiência em administrar um negócio, e também o dinheiro disponível para fazer a roda girar. Em um e-commerce, a escolha dos produtos a serem vendidos é uma etapa fundamental para que o empreendimento realize suas vendas ou faça parte da triste estatística, onde 70% das lojas virtuais realizam apenas dez (ou menos) pedidos por mês.

Mas como escolher o produto ideal para sua loja virtual? Essa pergunta não vale um milhão de dólares, mas pode garantir o sucesso da sua empresa. A resposta vem através da segmentação do mercado.

 

Um produto bem escolhido para ser o carro-chefe da sua empresa é essencial para quem está iniciando. Quem está abrindo uma micro ou pequena loja virtual, geralmente, busca contemplar em sua loja virtual um mix de produtos tão amplo quanto o de grandes empresas do ramo. Acontece que este empreendedor não possui o mesmo pessoal, energia e (principalmente) capital para bater uma grande empresa e, mesmo assim, insiste em parecer uma grande empresa. Vou dar então um conselho:

Não é feio, nem ruim, ser pequeno.

Quem está começando com uma loja virtual, precisa sempre desembolsar alguma grana. E quem é micro ou pequeno empreendedor, tem o orçamento contado e sabe que gastar e investir em algo é sempre “dolorido pro bolso”. Focar em um produto é uma vantagem para o iniciante, pois assim ele tem o poder de barganhar com o fornecedor, já que ele irá comprar em uma quantidade maior. Geralmente ele irá ouvir, e até mesmo aceitar a proposta, já que é muito mais fácil para o fornecedor entregar um pedido com, digamos, cem unidades do que com vinte.

Além disso, a energia gasta para cadastrar os produtos de forma correta é muito grande. Dou como exemplo um caso que já aconteceu comigo, há muito tempo atrás. Eu tive um e-commerce de roupas femininas, e trabalhava com diversos fornecedores e com um mix de produtos bem extenso. Acontece que uma loja de roupas femininas trabalha com coleções e, quando eu terminava de cadastrar bem uma coleção, já chegava outra e meu gasto de tempo naquela função nunca diminuía.

Para um produto vender bem em uma loja virtual, ele precisa cumprir um checklist composto de diversos detalhes, que fazem com que o comprador se interesse e não tenha nenhuma dúvida quanto à sua compra. Cadastrar um produto corretamente, conseguir boas fotos e uma descrição que vá além da oferecida pelo fornecedor, além de gravar vídeos com tutoriais ou dando dicas de uso, são importantes para que ocorra uma boa venda e a loja se destaque da concorrência. Agora, imagina fazer isso com cem produtos!

Trabalhar com apenas um produto também é muito mais fácil quando o assunto é armazenamento. Quando o mix é maior, variedade de tamanhos, volumes e cuidados na estocagem precisam de cuidado (e organização) redobrados.

Lembre-se sempre: se você está começando, cada minuto é muito importante para poder tocar o empreendimento em frente e fazê-lo crescer. Não tenha medo de começar com pouca coisa. Seja pequeno e sonhe grande!

Read More...

Finanças e Tributos

O que ninguém contou para você sobre NFC-e

Se tem uma coisa que não podemos ignorar é o avanço do espírito empreendedor no Brasil, mesmo em tempos de crise.

Aliado a isso, a taxa de mortalidade das empresas, ou seja, aquelas que sobrevivem ao primeiro ano, foi de 18,7% na pesquisa mais recente, a menor dos últimos cinco anos, segundo o IBGE. Isso demonstra o quanto o micro e pequeno empresário tem se planejado para entrar no mercado – ele está a cada dia com mais infraestrutura e conhecimento necessários para fazer o seu negócio prosperar, além de ter o apoio do governo com a diminuição da burocracia para estimular a atividade empreendedora, com a maior abrangência do Supersimples, por exemplo.

É claro que a tecnologia tem um papel fundamental neste processo também. No Brasil, segundo o Ibope Media, somos 105 milhões de usuários de internet, o que representa 51,6% da população. São números impressionantes, não é mesmo? Mas não podemos esquecer de uma outra face que está por trás deles: será que o empreendedor brasileiro está inserido nesta estatística com a mesma força de expressão?

Eu pude observar diversos momentos da economia do país e a evolução do mercado em relação ao uso de tecnologias a favor das empresas. Em 2008, quando a primeira nota fiscal eletrônica foi emitida, houve uma grande revolução: os empreendedores precisaram se adequar à nova realidade, utilizando esta tecnologia que veio junto com uma série de obrigações fiscais implementadas para evitar a sonegação. E eu contei toda essa história até agora para chegar em um ponto muito importante: uma nova revolução já começou a acontecer, e os impactos dela para os micro e pequenos empreendedores pode parecer doloroso no início, mas representará um enorme desenvolvimento num futuro muito próximo.

Você já deve ter ouvido falar de NFC-e, o arquivo eletrônico que deverá ser transferido para a Secretaria da Fazenda e substituirá o cupom fiscal em papel, que deixará de ter valor legal. As novas notas eletrônicas virão com um QR Code, que pode ser lido do celular com todas as informações da nota. Aos poucos, ela está sendo implementada pelo governo: desde janeiro deste ano, já vem sendo praticada no Rio de Janeiro, com prazo de até dezembro de 2017 ser obrigatória para todos os segmentos que comercializam qualquer tipo de produto; em São Paulo, está em discussão a utilização de um padrão baseado em software, muito mais vantajoso para o empresário na ponta, que diminuirá custos com a impressora fiscal e manutenção. Nos demais estados, a agenda de implantação também está em andamento, e acredito que até 2020 todo o país fará uso obrigatório da NFC-e. E é aqui que entra a nova revolução da qual eu falei.

Para estar em dia com o fisco dentro da nova obrigatoriedade eminente, o empreendedor precisará de aparatos tecnológicos como computador, internet, etc. Quando pensamos nas grandes e médias empresas, isso pode soar até banal… mas vamos imaginar a padaria da esquina da sua casa, ou a lojinha do Seu Zé que ainda utiliza caixa registradora e não emite cupom fiscal. Estes empreendedores precisarão se inserir, muito em breve, no contexto da tecnologia para continuarem operando. A obrigatoriedade impulsiona o crescimento, e já existem projetos pensados para o modelo da nuvem para os próximos anos, que vai facilitar ainda mais o uso da tecnologia pelos novos usuários. Mas mesmo a nuvem precisa de um link de internet, e aí voltamos à história da revolução.

Atravessamos um período incrível de maturação do mercado e evolução na descoberta dos benefícios das tecnologias a favor dos negócios. Sobrevivemos, seguimos adiante e estamos cada vez mais preparados para os próximos anos de empresa, aderindo a sistemas de gestão, à maquininha de cartão de crédito que envia recibo eletrônico para o e-mail do cliente, emitindo nota fiscal eletrônica e, muito em breve, nota fiscal do consumidor eletrônica. Tudo isso tem um pano de fundo que diz muito a respeito do comportamento do consumidor, que exige cada vez mais praticidade e segurança no momento da compra – o que faz com que os donos de negócios se adaptem a essas novas expectativas, fechando o ciclo com muito mais transparência na arrecadação e impedimento da sonegação fiscal. Todos estão alinhados e caminhando juntos em direção a um caminho que não tem mais volta: o de alcançar a maturidade tecnológica necessária para uma realidade que impulsiona o espírito empreendedor no Brasil, que anda mais forte do que nunca.

Read More...

Um software completo pode ajudar sua empresa desde o controle financeiro ao registro de clientes. Conheça o USE Gestão Financeira.

Se você é empresário no Brasil, há uma grande chance de atuar no setor de serviços. Você sabe o que é importante para desenvolver uma gestão eficaz nesta área?

Começando do básico: ao contrário de um bem, o serviço é um produto intangível que é consumido enquanto é produzido. Muito abstrato, né? Melhor com exemplos simples: ônibus é um bem, transporte é um serviço; prédio é um bem, alojamento é um serviço. E assim por diante.

O Factbook da Agência de Inteligência dos EUA (CIA) estima que o setor de serviços, também chamado de terciário, respondeu por 63,3% da economia mundial em 2013. A indústria ficou com 30,7% e a agricultura, 6%. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a economia do Brasil se dividiu assim em 2013: 69,3% em serviços, 25% na indústria e 5,7% na agricultura.

De acordo com o Banco Mundial, a tendência das economias é começar dependendo da agricultura e, conforme se desenvolvem, oferecerem mais indústria e, enfim, tender para os serviços.

Vimos o que é serviço e a importância deles para a economia. É fácil pensar a gestão dele, portanto, como a administração com o objetivo de viabilizar a entrega do serviço e a satisfação do cliente. Simples, não?

Ferramentas

Há algumas ferramentas essenciais para ser um gestor mais preparado. A primeira você já tem: está pesquisando o assunto (e, modéstia à parte, começou muito bem!). A partir daí, vamos pensar em necessidades concretas e que podem ser automatizadas.

Entre as tarefas que ajudam na gestão de serviços, estão o registro dos contratos, documentação eletrônica dos projetos, agendamento e acompanhamento de atividades e controle de horas previstas/executadas.

Também é preciso garantir o controle financeiro, fiscal e contábil da companhia; planejar projetos serviços de rotina e serviços avulsos. Esses e outros passos podem ser automatizados com softwares de Sistema Integrado de Gestão Empresarial, ou Enterprise Resource Planning (ERP).

Também é essencial controlar a base de clientes, registrando as contas qualificadas e potenciais e gerindo as oportunidades de fechar novos negócios. Essa demanda é tratada por programas de Administração de Relacionamento com Clientes, ou Costumer Relationship Management (CRM).

O USE Gestão Financeira atende a essas três demandas de forma completa. E, além de cobrir todas necessidades de gestão de serviços, financeira e de clientes, oferece ferramentas para ajudar na emissão de notas, na administração de colaboradores e no planejamento financeiro. Veja aqui no Vouclicar.com!

Ficou alguma dúvida? Que desafios você enfrenta para desenvolver uma boa gestão de serviços?

Ah, e já exploramos a diferença entre ERP e CRM em um post anterior. Leia aqui.

Read More...

Empreendedorismo

Competição X Coopetição: como faturar mais criando alianças

Já pensou em se unir a empresas que forneçam produtos ou serviços complementares aos seus?

 

Logo que abrimos nossa empresa, aprendemos que devemos ser os melhores, com mais escala, menores preços e atendimento mais diferenciado para conquistarmos o espaço de todos aqueles que são nossos concorrentes. Outra lenda que se instala em nossa mente é a de que devemos expandir nosso negócio abocanhando atividades complementares à nossa estratégia principal.

Não que isso esteja errado, mas é uma postura que dá bastante trabalho e requer altos investimentos para ser bem feita. Mas existe um outro jeito de crescer: cooperando com aqueles que, aparentemente, são nossos concorrentes. É a chamada coopetição.

Empresas de transporte aéreo têm um case conhecidíssimo nessa área: elas vendem exatamente o mesmo serviço (transporte), mas não conseguem chegar a todos os lugares requisitados pelos seus clientes com uma estrutura de custos adequada. Por isso, criam alianças para aumentar sua abrangência e compartilhar os lucros. Todos ganhos: as companhias, que não precisam fazer altos investimentos para ter operação direta em todos os lugares do mundo; e os passageiros, que conseguem preços melhores, já que os custos, assim como as receitas, são compartilhados.

Basicamente, na relação competitiva, um ganha e outro perde. Pela lógica colaborativa, dois agentes criam, juntos, o que sozinhos jamais alcançariam.

Dentro de sua atividade, quais são as alianças possíveis? Quais serviços/produtos que podem ser agregados à sua atividade fim de maneira complementar? Como você pode se aliar a um concorrente para que ambos ganhem, sem prejudicar a operação de nenhum dos dois?

Avalie, converse, crie parcerias quando adequado. E colha os frutos de maneira compartilhada!

Read More...