Empreendedorismo

4 indicadores de produtividade importantes para o seu negócio

Vou começar o assunto com uma pergunta: você trabalha bem? Não sabe responder?

Sim, essa é de fato uma questão bem complicada, especialmente se você ainda não usa indicadores de produtividade em sua empresa. Eles são a chave para medir e, consequentemente, melhorar o seu desempenho nos negócios.

No começo, eu mesmo não usava muito esses indicadores, pois estava muito ocupado tentando produzir mais. E, claro, todos têm medo de parar pra analisar a situação e deixar a peteca cair. Mas acredite, vale a pena.

Quando comecei a dedicar uma pequena porção do meu tempo a analisar meus indicadores de produtividade, encontrei vários problemas ao longo do caminho, mas aos poucos consegui melhorar a rentabilidade de todas as equipes. Ou seja, eu não precisei mais queimar neurônios pra fechar o mês no positivo.

Aqui estão 4 dos indicadores que mais usei ao longo do tempo e que acredito que estejam entre os mais importantes para qualquer negócio. Dê uma olhada:

1. Ticket médio

Esse aqui é bem simples. Um “ticket” é o quanto seu cliente gastou em uma compra ou contratação. Chamamos de “médio” o valor que costuma sair na maioria desses pedidos ou serviços prestados. Em resumo, é o quanto em média você ganha por cliente atendido.

Esse é um dos principais indicadores de produtividade, especialmente para ver se o seu serviço está dando lucro ou prejuízo. Digamos que, antes de considerar esses números, meu ticket médio era de R$ 100.

Parece bom, não é? Mas e se eu disser que esse era também o custo de todo o serviço prestado, sem contar o trabalho de publicidade e atendimento? Quando descobri que estava tomando esse prejuízo, corri para aumentar meu ticket médio.

2. Taxa de vendas bem-sucedidas

Enquanto o primeiro indicador diz respeito apenas aos clientes que você conseguiu atender, este aqui leva todos em conta, incluindo os que não fecharam negócio. Foi um dos primeiros indicadores de produtividade que comecei a usar, já que, como todo novo empreendedor, eu botava a culpa dos prejuízos no número de vendas.

Basicamente, aqui está a proporção entre pessoas atendidas e clientes adquiridos. Uma taxa de 10% quer dizer que, a cada 10 contatos, apenas 1 traz dinheiro. E, dependendo do custo de cada conversa sem sucesso, isso pode ser um grande problema. Então tive que buscar uma taxa de vendas melhor, procurando pelos clientes mais interessados de antemão.

3. Número de reclamações

Esse é o famoso indicador de insatisfação. Sempre temido, mas que nunca deve ser ignorado. Eu já fui novo e estava acostumado a abafar críticas, já que elas são comuns quando um negócio está engatinhando.

Mas, logo eu percebi que valia a pena ouvir esses clientes e aprender com eles. Com o tempo, comecei a fazer uma análise melhor dessas críticas e tive até bons resultados na minha reputação.

4. Rotatividade de funcionários

Este é um indicador de produtividade que nem sempre recebe a devida atenção, mas que reflete bem o funcionamento das equipes e do trabalho de RH.

Já parou pra olhar quantos colaboradores são contratados e demitidos a cada mês? Já pensou que cada profissional que sai também está levando o seu tempo de experiência na casa e suas habilidades específicas? Bem, já era hora de pensar!

Áreas com muita rotatividade tendem a gerar bastante custo, especialmente em pequenas empresas, com poucos membros. Menor rotatividade também significa que a equipe terá mais tempo para se conhecer e trabalhar melhor junta. Enfim, todos ganham se você não precisar demitir funcionários frequentemente.

E isso é o mais importante que eu poderia passar agora sobre indicadores de produtividade. Se gostou e quiser continuar recebendo minhas dicas, assine a nossa newsletter! Você receberá uma mensagem sempre que eu tiver algo interessante a dizer!

Read More...

Destaque, Empreendedorismo

Conheça as 7 melhores dicas de gestão para empreendedores inciantes

Começar o próprio negócio é o sonho de muita gente. Hoje vemos tantas histórias de empreendedores que começaram do nada e tiveram muito sucesso, não é? Até parece que empreender é fácil! Mas para cada negócio que dá certo, inúmeros outros fecham as portas antes de completar o primeiro ano de atividade.

Ainda que não exista uma receita de bolo para o sucesso de novos negócios, uma coisa é certa: uma boa gestão faz toda a diferença. Neste post, selecionei para você algumas dicas de gestão de empresas e pessoas bem-sucedidas. Acompanhe!

1. Valide o modelo de negócio

Você está pensando em abrir um comércio ou virar um prestador de serviços? Antes de tudo, procure entender se existe um mercado para a sua oferta.

Antes de alugar um imóvel, montar um escritório e contratar funcionários, por que não fazer um teste com o seu produto ou serviço? Ofereça a amigos, conhecidos, vizinhos e veja se faz sentido para eles.

Validar as hipóteses do seu modelo de negócio é uma excelente forma de minimizar riscos. Essa é uma das melhores dicas de gestão que eu poderia dar!

2. Conheça profundamente os clientes

Se você está pensando em abrir um negócio para se livrar do chefe, é melhor pensar duas vezes. Você terá inúmeros chefes quando começar a empreender: os seus clientes.

São eles que vão determinar o seu sucesso ou fracasso. Portanto você deve buscar empatizar com seu cliente, se colocar no lugar dele, pensar como ele, colher críticas e feedbacks. E o mais importante: aprender com tudo isso, para descobrir como você pode entregar mais valor e ser mais relevante para ele.

3. Analise a concorrência

Hoje em dia, você pode até ter uma ideia que considere genial, mas eu devo dizer: muito provavelmente alguém já pensou na mesma coisa.

Portanto, é preciso fazer uma análise de mercado. Pesquisando, você consegue entender o que os seus concorrentes — diretos ou indiretos — estão fazendo. Assim, é possível deixar claro para você e para seus clientes qual é o seu diferencial.

4. Priorize, priorize, priorize

Quando você abre um negócio, o que não falta são problemas. Mas existem os que podem ser resolvidos depois e os que precisam ser resolvidos agora.

Existem contratempos que terão impacto maior ou menor. Uma boa gestão passa necessariamente por saber priorizar. De acordo com o Princípio de Pareto, 80% dos seus resultados vêm de 20% dos seus esforços. Portanto foque onde haverá o maior resultado!

5. Aprenda a delegar

Dependendo do tamanho e da complexidade do seu negócio, pode ser possível tocá-lo sozinho. Mas à medida que ele cresce, você certamente vai precisar de ajuda.

Com colaboradores à sua disposição no negócio, você deve aprender a delegar. Para isso, tenha em mente o que você quer que seja feito, o modo como você quer que a tarefa seja executada, o prazo de entrega e o resultado que vai definir se a tarefa foi bem ou mal executada.

Mas não basta ter isso em mente, é preciso que o colaborador também compreenda cada um desses aspectos. Na gestão de pessoas, uma boa comunicação é imprescindível.

6. Monitore constantemente as finanças

Com toda a tecnologia existente hoje e programas cada vez mais fáceis de usar, você não tem desculpa para não fazer um acompanhamento minucioso do fluxo de caixa da empresa.

Assim, você terá total controle de entradas e saídas, bem como a demonstração de resultado e balanço. Esses números também podem ser úteis para ajudar você a tomar as melhores decisões.

7. Nunca pare de aprender

Talvez isso valha para todos os campos do conhecimento, mas um empreendedor não pode parar nunca de aprender. Seja conversando com outras pessoas, indo a eventos, voltando para a escola, ou simplesmente lendo. Aqui você pode conferir minhas recomendações de livros que podem te ajudar a ser um melhor gestor.

Se você gostou das minhas dicas de gestão, compartilhe este conteúdo com os amigos nas redes sociais. Eles também podem estar precisando de ajuda!

Read More...

Destaque, Empreendedorismo

Dicas de leitura: conheça 7 livros que todo bom gestor deve ler

A gestão é uma profissão que exige o hábito da leitura. Os constantes avanços e mudanças pelos quais passam a teoria e o mercado fazem com que os profissionais tenham que se atualizar para construir uma carreira e uma empresa bem-sucedidas. Neste post, listamos 7 dicas de leitura que são obrigatórias de todo bom gestor. Confira a nossa seleção:

O Gestor Eficaz, de Peter Drucker

Peter Drucker é considerado por muitos teóricos como um dos pais das teorias da administração empresarial. Em O Gestor Eficaz, ele foca na prática, deixando de lado as densas explicações teóricas. O livro possui área para anotações e serve como uma ferramenta de desenvolvimento para os leitores.

The Essencial Drucker, de Peter Drucker

Para completar a leitura acima, vale dar uma conferida nesse livro, que é uma coletânea das melhores teorias feitas pelo autor em seus mais de 30 livros. A escolha de cada página foi feita pelo próprio Drucker.

O Dilema da Inovação, de Clayton M. Christensen

Inovar é preciso? Segundo Christensen, empresas fracassam por não assumirem riscos e fazerem tudo exatamente como o previsto. O livro fala sobre as dificuldades vividas por empresas líderes de mercado que não souberam acompanhar as mudanças disruptivas.

Durante a leitura, os executivos refletem sobre quando é preciso ouvir o consumidor e investir no desenvolvimento de novas ideias e como esse procedimento deve ser efetuado sem colocar a empresa em risco.

Meus Anos com a General Motors, de Alfred Sloan

Um dos mais autênticos CEOs do século passado, Alfred Sloan compartilha as suas memórias dos seus anos a frente da GM, entre 1923 e 1937. Durante esse período, Sloan enfrentou mudanças profundas na economia americana e reorganizou a empresa, fazendo dela um modelo de gestão.

Paixão por Vencer, de Jack Whelch

Ex-presidente da GE, Jack Whelch já foi até assunto de um estudo de caso promovido pela Harvard Business School. Nessa obra, ele traz ensinamentos para leitores de todas as posições hierárquicas. Com uma linguagem simples, o livro reúne as experiências de Whelch em um guia para todo executivo de sucesso.

Aventuras Empresariais, de John Brooks

O que dizer de um livro que se tornou o favorito de Bill Gates após ser indicado por Warren Buffet? Só o fato de ser querido por 2 dos maiores businessmen da história já demonstra que o conteúdo é certeiro. John Brooks reúne 12 histórias que abordam diferentes temas que tangenciam o universo corporativo.

The Checklist Manifesto — How to Do the Things Right, de Atul Gawande

Citado diversas vezes pelo fundador do Twitter, Jack Dorsey, o livro é considerado leitura obrigatória, e o seu tema é simples: as checklists. A obra fala sobre a importância e a eficácia do hábito de listagem. Sua rotina nunca mais será a mesma após a leitura desse livro.

Essas são algumas das nossas dicas de leitura. Lembre-se de que todo bom gestor deve procurar atualização constante dos seus conhecimentos por causa da volatilidade do mercado.

Gostou da nossa lista? Então não deixe de nos seguir nas redes sociais para descobrir novos conteúdos: estamos no Facebook, no Twitter, no LinkedIn e no YouTube.

Read More...

Destaque, Empreendedorismo

Saiba o que fazer para aprimorar as técnicas de vendas da sua empresa

Tenho ouvido muitos gestores reclamando da queda das vendas nas suas empresas. Isso tem a sua razão de ser, já que estamos passando por um período difícil na economia nacional — o poder de compra do consumidor anda muito limitado, enquanto o nível de competitividade parece cada vez maior.

Mas como diz um antigo provérbio que eu gosto muito: “É melhor acender uma vela que praguejar contra a escuridão”. Por isso, neste post, vou dar algumas dicas de como aprimorar as técnicas de vendas da sua empresa e, consequentemente, otimizá-las. Vamos lá?

Capacite os seus vendedores

Todas profissões têm seus segredos. Com o vendedor, não é diferente. Ele precisa se capacitar para conseguir um número satisfatório de vendas mesmo que existam muitas empresas competindo no mercado. Para obter sucesso, ele terá que aplicar estratégias e técnicas valiosas, atualizadas e avançadas — ele precisa acompanhar a evolução, os recursos tecnológicos, as inovações, conhecer bem o mercado e o seu cliente-alvo.

Por essa razão, o gestor deve investir em treinamentos e capacitação para a sua equipe de vendas, a fim de torná-la apta para vender dentro e fora da empresa, aproveitando todas oportunidades. O setor de vendas precisa estar bem provido com ferramentas apropriadas de trabalho e conhecimentos suficientes na área para executar as tarefas com eficiência.

A seguir, listo algumas dicas de boas técnicas de vendas que a sua empresa poderá aplicar para crescer.

Características de um bom vendedor

Para começar, o bom vendedor precisa ser simpático, saber conversar com o consumidor, passar uma boa impressão. A verdade é que o vendedor é a ponte de ligação entre o consumidor e o produto. Isso significa que ele é fundamental para que o outro compre a sua mercadoria.

Para facilitar, vou fazer uma pequena comparação. Imagine uma ponte que liga um ponto a outro — ela é a única via de acesso entre dois extremos. Se essa ponte estiver em condições precárias, o que acontece? Ela se torna um meio de ligação não confiável e ninguém vai querer passar por ela. Com o tempo, ela pode até cair, rompendo definitivamente qualquer ligação entre os dois pontos. Pois essa ponte é o vendedor! E os pontos extremos são o consumidor, de um lado, e o produto, do outro.

O vendedor precisa ser agradável, oferecer uma boa imagem de si mesmo e estar apresentável na hora de vender. Quando o consumidor simpatiza com o vendedor, as possibilidades de comprar o produto aumentam.

Outra característica-chave do vendedor é ser atencioso com os consumidores. É preciso ter paciência para escutar o que ele fala, as suas dúvidas e histórias, envolver-se com ele a ponto de manter uma relação mais estreita e duradoura, que vá além do simples processo de vendas. Todas as 1pessoas gostam de ser ouvidas, e o vendedor precisa agir, em certas ocasiões, como uma espécie de psicólogo, que vai escutar histórias diferentes sobre compras que não deram certo e até sobre assuntos mais pessoais. Dentro do possível, responda a todas questões do consumidor e oriente-o da melhor forma possível, e não pensando somente em levar vantagem.

Também é necessário que o vendedor seja autoconfiante — ou seja, ele precisa saber detalhes, vantagens e desvantagens do seu produto para poder abordar o consumidor com um conteúdo embasado e sólido. A falta de autoconfiança gera dúvidas no consumidor e, mesmo que o produto seja de excelente qualidade, a insegurança do vendedor vai acabar impedindo que a venda se concretize — a não ser o que a pessoa já conheça bem o produto e esteja realmente interessada em comprá-lo.

Alerte os seus vendedores para a importância do atendimento personalizado

Esse é um dos pontos em que o homem se diferencia da máquina. Ele não pode estar “programado” para vender — precisa estar capacitado para realizar essa atividade. Ainda que existam características gerais entre os compradores, o vendedor sempre terá que se ajustar ao perfil único de cada consumidor com o qual entrar em contato.

Por esse motivo, os responsáveis pelo setor de vendas devem registrar todas informações importantes do cliente em um banco de dados: nome, endereço, e-mail, telefone, preferências, histórico de compras, pontualidade no pagamento, etc.

Pesquise formas de penetrar mais fundo no mercado

Quanto mais fundo a sua empresa penetrar no mercado, mais você terá chances de vender. Essa penetração pode acontecer de diversas formas. Você pode, por exemplo, oferecer outros produtos, adicionando inovação ao segmento em que já está inserido. As novidades costumam ser atrativas para os consumidores — o importante é que, passado o primeiro momento, o encanto não se perca e as pessoas continuem interessadas no produto.

Você também poderá investir em campanhas arrojadas, oferecendo descontos realmente relevantes e fazendo promoções que diferenciem a sua empresa das outras atuantes no mercado. Mesmo que isso implique em reduzir a sua margem de lucro, poderá ser vantajoso se obtiver mais vendas e conseguir captar e fidelizar mais clientes.

Ofereça bônus especiais, brindes para os compradores, serviços gratuitos, faça sorteios de produtos que são muito procurados pelos clientes, etc. Dessa forma, você estará conseguindo uma boa penetração de mercado, trazendo bons resultados para o setor de vendas.

Use a tecnologia a seu favor

A tecnologia é outro ponto fundamental sobre o qual eu não poderia deixar de falar. Existem muitos aplicativos úteis para otimizar o fluxo de vendas. São aplicativos que podem ser instalados no computador, no tablet, no celular, etc. Eles permitem a comunicação e integração entre o setor de vendas, o gestor e os vendedores. Permitem também o monitoramento do desempenho das vendas em tempo real, dando ao gestor e ao seu time a oportunidade de resolver conflitos de última hora, evitando a perda de vendas e de clientes.

É preciso, ainda, considerar as redes sociais, blogs, sites, plataformas, grupos digitais. Invista neles para divulgar a sua marca e estabelecer vínculos com o público consumidor. Caso seja viável, crie a sua loja virtual para dar suporte à sua loja física — o e-commerce é responsável por boa parte das vendas realizadas pelos consumidores.

Já usa algumas dessas técnicas para aumentar as vendas da sua empresa? Já usa recursos tecnológicos eficientes? Faça um teste gratuito do software do “Vouclicar.com” e depois diga o que achou!

Read More...

Destaque, Empreendedorismo

Veja como a análise de mercado impacta na tomada de decisões de um negócio

Diariamente, eu recebo muitas dúvidas sobre como lidar com a concorrência e encontrar a forma correta de prospectar clientes. Bom, eu sempre digo que a concorrência é como aquela pessoa da família que não gostaríamos de ter por perto, porém, precisamos conviver com esse fato e nos adaptar à situação. Como fazemos isso? Simples: analisamos o que está ocorrendo e buscamos criar o menor impacto negativo possível.

Para tomar decisões acertadas em seu negócio, recomendo que use a mesma estratégia fazendo uma análise de mercado e vendo quais são as medidas mais adequadas a serem tomadas. Para te ajudar nesse processo, vou te dar algumas dicas muito bacanas:

1. Vá além de simplesmente conhecer o seu público

Direcionar o seu produto ou serviço para um determinado público e tentar compreender teoricamente o que ele procura não é o suficiente para se alcançar grandes resultados.

Digo isso porque eu como cliente sou um pouco chato e vivo mudando de ideia. Isso me faz ver que é necessário dar importância a esse fato, pois compreender os motivos do cliente ficar em dúvida, ir e voltar diversas vezes até comprar, perceber se ele prefere adquirir o produto de forma parcelada ou buscar um desconto à vista, é dar um passo além do comum e verificar os reais motivos que cercam uma venda, evitando assim cometer erros que possam melar o negócio.

2. Busque equilíbrio entre análises internas e externas

Tudo bem o que o Clico aqui não é um senhor de idade, mas já vi muitas vezes empresas se preocuparem mais com que as outras estão fazendo do que buscar compreender os seus processos internos.

Sei que toda análise interna tende a ser complexa, mas para isso existem muitos elementos facilitadores como sistemas de gestão que permitem apresentar indicadores de qualidade de forma muito mais eficiente e contribuem para um resultado final mais favorável.

3. Verifique o custo-benefício da otimização de processos

Eu sou suspeito para falar sobre a importância da tecnologia em nossas vidas, afinal sou vidrado nesse assunto. E acredito que toda empresa deve adotar uma postura similar e estar atenta a todas as novidades que o mercado oferece nesse nicho.

Uma empresa que investe em tecnologia é tida como descolada pelos clientes e tende a ultrapassar a concorrência com mais facilidade. Por isso, é importante analisar a melhor forma e momento de otimizar processos, investir em tecnologia e poder atender as demandas do público de forma mais qualificada (inclusive as minhas demandas, hehe).

Confie em mim, aplique essas dicas e verá o quanto isso contribui para uma análise de mercado mais funcional, o que consequentemente vai gerar uma tomada de decisões mais acertadas no cotidiano da sua empresa.

Já que o Clico te ajudou, agora é a hora de agradecer, não acha? Mas não diga um simples obrigado, em vez disso assine a nossa newsletter (nesse caso você sai ganhando de novo, afinal vai ficar por dentro de todas as novidades e receber artigos superinteressantes diretamente no seu e-mail)!

Read More...

Empreendedorismo

Veja o que fazer para aprimorar as técnicas de vendas da sua empresa

Tenho ouvido muitos gestores reclamando da queda das vendas nas suas empresas. Isso tem a sua razão de ser, já que estamos passando por um período difícil na economia nacional — o poder de compra do consumidor anda muito limitado, enquanto o nível de competitividade parece cada vez maior.

Mas como diz um antigo provérbio que eu gosto muito: “É melhor acender uma vela que praguejar contra a escuridão”. Por isso, neste post, vou dar algumas dicas de como aprimorar as técnicas de vendas da sua empresa e, consequentemente, otimizá-las. Vamos lá?

Capacite os seus vendedores

Todas profissões têm seus segredos. Com o vendedor, não é diferente. Ele precisa se capacitar para conseguir um número satisfatório de vendas mesmo que existam muitas empresas competindo no mercado. Para obter sucesso, ele terá que aplicar estratégias e técnicas valiosas, atualizadas e avançadas — ele precisa acompanhar a evolução, os recursos tecnológicos, as inovações, conhecer bem o mercado e o seu cliente-alvo.

Por essa razão, o gestor deve investir em treinamentos e capacitação para a sua equipe de vendas, a fim de torná-la apta para vender dentro e fora da empresa, aproveitando todas oportunidades. O setor de vendas precisa estar bem provido com ferramentas apropriadas de trabalho e conhecimentos suficientes na área para executar as tarefas com eficiência.

A seguir, listo algumas dicas de boas técnicas de vendas que a sua empresa poderá aplicar para crescer.

Características de um bom vendedor

Para começar, o bom vendedor precisa ser simpático, saber conversar com o consumidor, passar uma boa impressão. A verdade é que o vendedor é a ponte de ligação entre o consumidor e o produto. Isso significa que ele é fundamental para que o outro compre a sua mercadoria.

Para facilitar, vou fazer uma pequena comparação. Imagine uma ponte que liga um ponto a outro — ela é a única via de acesso entre dois extremos. Se essa ponte estiver em condições precárias, o que acontece? Ela se torna um meio de ligação não confiável e ninguém vai querer passar por ela. Com o tempo, ela pode até cair, rompendo definitivamente qualquer ligação entre os dois pontos. Pois essa ponte é o vendedor! E os pontos extremos são o consumidor, de um lado, e o produto, do outro.

O vendedor precisa ser agradável, oferecer uma boa imagem de si mesmo e estar apresentável na hora de vender. Quando o consumidor simpatiza com o vendedor, as possibilidades de comprar o produto aumentam.

Outra característica-chave do vendedor é ser atencioso com os consumidores. É preciso ter paciência para escutar o que ele fala, as suas dúvidas e histórias, envolver-se com ele a ponto de manter uma relação mais estreita e duradoura, que vá além do simples processo de vendas. Todas as 1pessoas gostam de ser ouvidas, e o vendedor precisa agir, em certas ocasiões, como uma espécie de psicólogo, que vai escutar histórias diferentes sobre compras que não deram certo e até sobre assuntos mais pessoais. Dentro do possível, responda a todas questões do consumidor e oriente-o da melhor forma possível, e não pensando somente em levar vantagem.

Também é necessário que o vendedor seja autoconfiante — ou seja, ele precisa saber detalhes, vantagens e desvantagens do seu produto para poder abordar o consumidor com um conteúdo embasado e sólido. A falta de autoconfiança gera dúvidas no consumidor e, mesmo que o produto seja de excelente qualidade, a insegurança do vendedor vai acabar impedindo que a venda se concretize — a não ser o que a pessoa já conheça bem o produto e esteja realmente interessada em comprá-lo.

Alerte os seus vendedores para a importância do atendimento personalizado

Esse é um dos pontos em que o homem se diferencia da máquina. Ele não pode estar “programado” para vender — precisa estar capacitado para realizar essa atividade. Ainda que existam características gerais entre os compradores, o vendedor sempre terá que se ajustar ao perfil único de cada consumidor com o qual entrar em contato.

Por esse motivo, os responsáveis pelo setor de vendas devem registrar todas informações importantes do cliente em um banco de dados: nome, endereço, e-mail, telefone, preferências, histórico de compras, pontualidade no pagamento, etc.

Pesquise formas de penetrar mais fundo no mercado

Quanto mais fundo a sua empresa penetrar no mercado, mais você terá chances de vender. Essa penetração pode acontecer de diversas formas. Você pode, por exemplo, oferecer outros produtos, adicionando inovação ao segmento em que já está inserido. As novidades costumam ser atrativas para os consumidores — o importante é que, passado o primeiro momento, o encanto não se perca e as pessoas continuem interessadas no produto.

Você também poderá investir em campanhas arrojadas, oferecendo descontos realmente relevantes e fazendo promoções que diferenciem a sua empresa das outras atuantes no mercado. Mesmo que isso implique em reduzir a sua margem de lucro, poderá ser vantajoso se obtiver mais vendas e conseguir captar e fidelizar mais clientes.

Ofereça bônus especiais, brindes para os compradores, serviços gratuitos, faça sorteios de produtos que são muito procurados pelos clientes, etc. Dessa forma, você estará conseguindo uma boa penetração de mercado, trazendo bons resultados para o setor de vendas.

Use a tecnologia a seu favor

A tecnologia é outro ponto fundamental sobre o qual eu não poderia deixar de falar. Existem muitos aplicativos úteis para otimizar o fluxo de vendas. São aplicativos que podem ser instalados no computador, no tablet, no celular, etc. Eles permitem a comunicação e integração entre o setor de vendas, o gestor e os vendedores. Permitem também o monitoramento do desempenho das vendas em tempo real, dando ao gestor e ao seu time a oportunidade de resolver conflitos de última hora, evitando a perda de vendas e de clientes.

É preciso, ainda, considerar as redes sociais, blogs, sites, plataformas, grupos digitais. Invista neles para divulgar a sua marca e estabelecer vínculos com o público consumidor. Caso seja viável, crie a sua loja virtual para dar suporte à sua loja física — o e-commerce é responsável por boa parte das vendas realizadas pelos consumidores.

Já usa algumas dessas técnicas para aumentar as vendas da sua empresa? Já usa recursos tecnológicos eficientes? Faça um teste gratuito do software do “Vouclicar.com” e depois diga o que achou!

Read More...