Comunicação, Empreendedorismo, Empresário e Pessoa física

4 conceitos básicos de gestão que todo empreendedor precisa dominar

 

Vocês querem saber o meu segredo para escrever os posts dou VouClicar.com? Pesquisa, muita pesquisa. Acredito que o estudo deveria ser uma constante na vida de qualquer empreendedor. As vezes, com o sucesso, esquecemos de pequenas coisas que podem ser revisitadas ou, simplesmente, deixamos de aprender coisas novas.

Foi justamente inspirado nessa ideia que resolvi fazer o nosso post de hoje. Vou trazer para vocês alguns conceitos de gestão que todo empreendedor precisa dominar e guardar no bolso. Vou abordar desde o conceito de metas SMART até o Balanced Scorecard. Confira tudo isso logo a seguir.

  1. Metas SMART

O primeiro conceito de gestão que vou apresentar são as metas SMART. Basicamente, é um padrão de qualidade para as metas, pois, se elas tiverem todos os elementos necessários de acordo com esse padrão, então, significa que são plenamente realizáveis por você e seus colaboradores.

SMART, em inglês, significa inteligente, mas também funciona como uma sigla, de modo que cada letra se refere a um elemento indispensável para que uma meta seja ideal. De acordo com o padrão, os elementos são: especificidade (specific), mensurabilidade (measurable), atingibilidade (attainable), relevância (relevant) e temporalidade (time-based).

  1. Análise SWOT (FOFA)

Muito importante na área do empreendedorismo é a análise SWOT (Strenghts, Weaknesses, Opportunities and Threats). A tradução para o português é memorável — chamamos de análise FOFA (Forças, Oportunidade, Fraquezas e Ameaças). Um pouco mais suave, não?

Estamos falando da análise do ambiente interno e externo. Na sua empresa, você deve procurar por forças e fraquezas do negócio (ambiente interno). Acontece que isso não é o suficiente. Também é fundamental avaliar o as oportunidades e as ameaças do mercado (ambiente externo) para ter uma visão completa de onde a sua empresa está.

  1. Pirâmide de Maslow

Acredito que se preocupar com os colaboradores é mais do que um diferencial, mas um dever. Você concorda? Por sinal, normalmente, quanto mais a empresa trabalha para garantir a satisfação dos colaboradores, maior será o nível de motivação. A questão é: quais são as principais necessidades dos profissionais?

É justamente sobre isso que se trata a Pirâmide de Maslow. São várias camadas de necessidades que seguem uma ordem de hierarquia. Temos as carências fisiológicas, ligadas à saúde e ao bem-estar, a necessidade de segurança no ambiente de trabalho, de autoestima, de relacionamento interpessoal e, acima de todas essas, a realização pessoal.

  1. Balanced Scorecard

Para concluir o material de hoje, deixo com vocês o nosso último conceito de gestão: o Balanced Scorecard. Estamos falando de um modelo de gestão de negócios que é muito utilizado em muitas empresas — algumas delas, inclusive, utilizando-se da tecnologia para aplicá-lo com maior afinco.

De acordo com esse conceito, toda a empresa precisa trabalhar alguns pontos-chave para ter sucesso. Vamos conferir cada um deles?

  • Gestão estratégica;
  • Mensuração de progressos;
  • Estratégia;
  • Objetivos;
  • Indicadores;
  • Metas;
  • Iniciativas estratégicas.

Cada um desses pontos deve ser avaliado isoladamente, mas é importante sempre que você tenha em mente o todo, ou seja, o que a empresa é, representa para o mercado e, principalmente, onde ela quer chegar.

Gostou do post de hoje sobre os conceitos de gestão? Então assine a newsletter e acompanhe mais conteúdo como este!

 

Read More...

Comunicação

Pecados do atendimento ao cliente: 5 erros que você comete sem saber

1. Introdução
2. Identificando os erros e solucionando

2.1. Não ouvir os clientes

2.2. Não conhecer o seu cliente

2.3. Não educar e orientar o cliente

2.4. Não solucionar o problema do cliente

2.5. Não fazer o pós-venda

3. Conclusão

Um cliente bem atendido é um cliente satisfeito, que volta a comprar e indica a sua empresa para os amigos, e investir em um bom atendimento pode sair bem mais em conta se você evitar alguns erros simples.

É importante ressaltar que errar é algo comum e que, especialmente no empreendedorismo, os erros serão frequentes. Mas, nesse caso, o problema não é o erro em si, mas o fato de não aprender com eles.

O primeiro passo para solucionar um problema é identificá-lo, e uma das melhores formas de entender bem o que ocorre é saber ouvir o seu cliente. Além de tudo, a conversa é sempre uma boa ferramenta para você conhecer melhor o seu público, o que pode ajudar nas suas ações de marketing e direcionar melhor as suas estratégias.

Outra situação que pode gerar problemas é um cliente que não sabe usar bem o seu produto, e que, por isso, acredita que você não resolveu o problema dele, que é algo que deve sempre ser feito rapidamente. Tudo isso faz parte do processo de pós-venda, que deve ser percebido como elemento fundamental da sua estratégia de vendas e que, inclusive, pode auxiliar no trabalho de gerar e promover futuras negociações para sua empresa.
No post de hoje, você vai aprender como identificar cada um desses erros e como proceder para evitá-los e melhorar o seu atendimento ao cliente e seu serviço. Vamos lá? Tenha uma ótima leitura!

Identificando os erros e solucionando

“O problema do problema está no problema”. Já ouviu falar nessa frase? Ela parece estranha, mas ela diz muito a respeito de várias dificuldades que sua empresa pode enfrentar.

Muitas vezes, na ânsia de resolvermos logo alguma situação complicada, já partimos direto para um plano de ação, mas não nos preocupamos em analisar o que realmente causou aquela adversidade. Apensas quando descobrimos qual é o verdadeiro problema podemos pensar em soluções estratégicas para solucioná-lo, e, então, desenvolver e melhorar nossos serviços.

Por isso, é importante reconhecer qual é o principal problema no seu atendimento, e, então, partir para a solução proposta. A seguir, temos 5 dos principais problemas de atendimento que uma empresa costuma apresentar e como resolvê-los de forma prática, rápida e simples! Confira:

Não ouvir os clientes

atendimento ao cliente
Quem sabe ouvir sabe bem o que falar. Em toda comunicação, seja pessoal ou empresarial, ouvir é uma parte importante do processo. Saber ouvir seu cliente é fundamental para conhecer bem o seu público e perceber dicas valiosas que podem te ajudar nas negociações futuras, seja para obter novos clientes ou para perceber coisas que precisam ser melhoradas e podem estar afetando a sua taxa retenção. Além disso, seu cliente sabe se está sendo ouvido ou não, e isso melhora o seu relacionamento com ele.

Nem sempre é fácil adotar a cultura de ouvir o cliente, pois isso não se trata apenas de escutar o que ele está falando. Veja algumas boas dicas para ouvir melhor, mostrar que está sendo ouvido e colocar em prática aquilo que você ouviu:

– Realmente tenha interesse no assunto: tente sentir empatia pelo problema do seu cliente. Dedique aquele momento a ouvi-lo e entender o que ele está sentindo e evite interromper e se justificar, mesmo que você ache que ele esteja errado.

– Não tenha medo de perguntar: surgiu alguma dúvida? Pergunte! Além de você ter a oportunidade de não sair entendendo tudo errado, você mostra interesse e isso conta pontos a seu favor!

– Preste atenção na linguagem corporal: de acordo com pesquisas de James Kouzes e Barry Posner, em “O Desafio do Líder”, as expressões não verbais correspondem a 55% da mensagem transmitida. Observe como ele está se comportando e tente compreender o sentimento dele e suas intenções.

– Ao terminar a conversa, documente o que foi dito e trabalhe para encontrar formas de utilizar o que foi passado a você para melhorar os seus serviços! Tente tirar proveito de cada feedback que você receber. Pode ter a certeza de que todos eles poderão te ensinar uma lição valiosa.


Não conhecer o seu cliente

Uma das grandes vantagens de ouvir os seus clientes é ter a chance de conhecê-los melhor. Uma empresa que sabe com quem está lidando tem muito mais chances de ser bem sucedida, pois uma estratégia só consegue ser eficiente se ela tem um público bem definido e consegue utilizar isso a seu favor. Conhecer seu cliente não é saber o nome dele, o telefone e o último item que ele comprou na sua loja. Vai muito além disso!

O que ele faz quando sai da sua loja? Que outros itens ele consome? Ele compra itens da sua concorrência? Ele tem o costume de conversar com os amigos sobre os produtos que compra? Ele interage com as marcas nas redes sociais? O que é prioridade na vida dele? Ele tem família? O que a família dele consome?

Existem diversas informações sobre ele que podem te ajudar muito a melhorar o serviço que você oferece e você pode estar ignorando a oportunidade de acessá-las! Sabendo como se comportam os seus clientes, você pode entender melhor suas necessidades e também tentar encontrar certos padrões que podem te ajudar a buscar novos consumidores dentro de determinados nichos que, de acordo com a sua percepção de conhecimento em clientes já adquiridos, possuem grandes chances de virem a se interessar pelo seu produto!

Fazer pesquisas é uma excelente forma de conhecer melhor o seu público. Existem diversos tipos de pesquisas que podem ser realizadas com os clientes que você já tem! As quantitativas classificam em números e, geralmente, são mais fáceis de ser aplicadas. São, geralmente, questionários com respostas de “sim” ou “não”, ou múltiplas escolhas, e são uma boa forma de obter dados estatísticos.

As pesquisas qualitativas são mais abrangentes e identificam percepções e sentimentos. Geralmente, são perguntas do tipo: “o que você acha do nosso atendimento?” ou “como você acha que poderíamos melhorar o nosso produto?”. As duas são valiosas e podem trazer uma base de informações importantíssimas para a evolução do seu negócio.

Uma outra forma interessante de conhecer melhor o seu cliente é estar presente nas redes sociais e observar como eles se comportam, além de ter a possibilidade de interagir com eles. Além disso, você também pode fazer perguntas sobre algo que queira saber por lá! Os custos são menores do que solicitar uma pesquisa oficial e você pode ter respostas tão eficientes quanto.

Não educar e orientar o cliente

atendimento ao cliente
Por que um cliente adquire um produto ou um serviço? Certamente ele tem algum motivo sólido em sua mente: ele precisa resolver um problema. Ninguém compra uma furadeira porque precisa de uma furadeira pela simples vontade de ter o objeto, normalmente, a pessoa precisa de um furo na parede. Se a furadeira não fizer o furo na parede ou se a pessoa não souber como utilizar a furadeira para fazer o furo na parede, podemos dizer que o produto não cumpriu a sua função, correto?

Você tem que se lembrar que, nem sempre, o seu cliente sabe como utilizar o seu produto ou aproveitar da melhor forma o seu serviço para obter os resultados esperados. Ajude seu cliente a obter resultados com o seu produto! Do contrário, ele pensará (com razão!) que ele desperdiçou dinheiro com algo inútil. Outra coisa que é muito importante relacionada a este tópico é o alinhamento de expectativas.

É muito importante que você seja sempre sincero em relação ao que o seu produto é capaz de oferecer, para que as expectativas correspondam ao resultado final que ele pode obter. Um cliente frustrado é um cliente que não volta e, dependendo do nível dessa frustração, é um cliente que pode, inclusive, denegrir a sua imagem para os amigos, e, definitivamente, não é isso que você quer.

Não solucionar o problema do cliente

Problemas, todos nós temos. Errar, todos erramos. Nunca é legal quando algo acontece e a expectativa do cliente é quebrada em relação ao nosso produto, mas, quando isso ocorre, o mais importante é a forma como vamos lidar com aquela situação. Confira abaixo o que você deve fazer para resolver um problema na hora que ele surgir (e acredite, ele sempre vai surgir!):

– Mais uma vez, saiba ouvir: na hora de resolver um problema, a dica anterior relacionada a ouvir o cliente é muito importante, afinal, você não consegue resolver alguma situação se não tiver entendido bem o que aconteceu, correto? Portanto, tenha a certeza de entender bem qual é a insatisfação do cliente antes de propor alguma solução. É importante ser empático e mostrá-lo que você compreende o seu aborrecimento.

– Engula o orgulho: outro ponto importante é saber passar por cima do próprio orgulho e reconhecer que existe o problema a ser solucionado ao invés de ficar tentando se justificar.

– Mostre conhecimento e confiança: é muito importante você se portar com segurança ao conversar com seus clientes, mas nos momentos de problema, isso se torna um diferencial decisivo! Mostre que você conhece o produto e que você sabe exatamente como resolver o problema.

– Seja rápido e prático: você deve apresentar uma solução o mais rápido possível. Além disso, não é legal burocratizar o processo. O seu cliente já está insatisfeito e já teve que ter o trabalho de te procurar para lidar com a situação, não coloque um milhão de empecilhos para ele resolver um problema do qual ele nem tem culpa!

– Cumpra o que prometeu: se você falou que iria ligar para ele em dois dias, ligue em dois dias. Se você disse que um novo produto chegaria em uma semana, garanta que o novo produto chegará em uma semana. Quebrar uma nova expectativa é fracassar em dobro e, provavelmente, você não terá uma nova chance de reverter essa situação da segunda vez que decepcionar seu cliente.


Não fazer o pós-venda

atendimento ao cliente
O cliente saiu da sua loja, comprou o seu produto. Ele está satisfeito, com um sorriso no rosto. Parabéns! A sua estratégia de marketing foi eficiente e você efetuou a venda. Seu trabalho terminou aí.

Opa! Percebeu algum problema aí em cima? Está tudo errado! É um erro gravíssimo pensar que o seu trabalho termina quando o seu cliente sai da sua loja. Sabemos que foi um grande esforço trazê-lo até aí, e que também foi um esforço fazê-lo comprar o seu produto, mas agora o trabalho continua, e é com o pós-venda que você vai garantir que o seu cliente voltará e, mais do que isso, indicará a sua loja para outras pessoas.

Um pós-venda impecável acaba se transformando em uma boa pré-venda em futuras oportunidades. Percebe a importância? Fazer um cliente satisfeito voltar à sua loja é muito mais barato do que investir em publicidade para arrastar até lá quem ainda nem te conhece.

Além disso, o poder da indicação de um consumidor satisfeito é tão alto que, por exemplo, sete em cada 10 mulheres preferem comprar roupas com base na indicação de amigas, de acordo com uma pesquisa feita pelo Data Popular. E esse nível de influência se estende, em diferentes patamares, a diversos outros setores e pessoas, especialmente agora que temos a internet e as mídias sociais para espalhar a informação tão facilmente!

Entende a importância de realizar um pós-venda impecável? E não existe muito segredo! Pense sempre em antecipar a satisfação do seu cliente, ou seja, procure ele após um período de tempo (uma semana, um mês ou três meses, dependendo do tipo de produto que você vende) para saber se ele está satisfeito com o resultado, se está tudo funcionando bem e se existe algo a mais que você possa fazer por ele.

Ofereça vantagens para as pessoas que já compraram produtos uma ou várias vezes em sua empresa, como benefícios exclusivos, descontos ou mesmo informações simples que podem ser recebidas com muita surpresa. Você pode até alinhar o trabalho de pós-venda com a promoção de novos produtos.

As oportunidades são muitas, basta você entender o seu cliente e o seu produto e saber como manter o contato sempre aceso. Você precisa estar sempre na mente do seu consumidor, e de forma positiva, para ele poder sempre voltar a você quando precisar e atuar como “vendedor indireto”, indicando você para os amigos!

Conclusão

Saber ouvir seu cliente, saber o que ele quer, ajudá-lo a ter o que ele precisa, fazer um bom pós-venda, ter empatia com suas insatisfações, solucionar rápido os problemas e cumprir suas promessas. Se você cumprir essas etapas, você terá clientes satisfeitos que voltarão à sua loja e ainda falarão bem de seus serviços para outras pessoas!

O importante é não se esquecer de nenhuma dessas etapas e se esforçar para que o seu cliente sempre se lembre de você de forma positiva!

Espero que esse material te ajude a melhorar sua relação com os clientes e garantir bons negócios para o seu empreendimento. Sucesso e até a próxima!

Read More...

Comunicação

PNL em vendas: alcance resultados surpreendentes para seu negócio

Atualmente, podemos ver que as celebridades exercem certo poder de contagiar as pessoas e, através deste contágio, notamos como o mundo é composto por comportamentos semelhantes aos das pessoas famosas, e as tendências que surgem, como a moda por exemplo.

Mas não é só com pessoas famosas que isso acontece. É possível encontrar diferentes tipos de comportamento em pequenos grupos. Em uma sala de aula, por exemplo, sempre encontramos as pessoas que se assemelham mais sentadas próximas umas das outras.

E por que isso acontece? Porque somos suscetíveis a modelar nosso comportamento ao de outras pessoas, sendo influenciados ou influenciando os demais. Na maioria das vezes, isso é feito inconscientemente. Nos últimos anos, uma técnica chamada PNL vem mudando a maneira que as pessoas influenciam umas às outras, buscando obter resultados direcionados. Ficou curioso? Então vamos entender o que é e como a PNL em vendas pode mudar o seu jeito de negociar!

O que é PNL

PNL (Programação NeuroLinguística) é o estudo dos padrões criados pela interação do cérebro com nossa linguagem (falada e corporal). Cada pessoa associa suas experiências com base em tudo o que vive, recolhendo as informações que recebe de todos os sentidos (tato, visão, audição, olfato e paladar), atrelado a emoções e sentimentos vivenciados em cada momento.

Através da PNL, acredita-se que essas associações possam ser ressignificadas, conseguindo melhorar o aprendizado ou então, entender o modelo mental da outra pessoa para conseguir melhorar a comunicação entre elas.

Como identificando os modelos de pessoas com a PNL

As pessoas se dividem de maneira mais genérica em 3 perfis, sendo eles:

Visuais: são movidos pelo que veem e costumam falar apressadamente, tentando fazer a outra pessoa enxergar o que ela está visualizando.

Auditivos: são mais analíticos e querem ouvir todos os detalhes. A impostação da voz é essencial para direcionar esse tipo de pessoa.

Sinestésicos: direcionados pelos sentimentos e pela necessidade de tocar. Geralmente, querem pegar na mão para conseguir entender o que está sendo falado.

Você pode identificar o perfil da pessoa com quem conversa procurando observar seus movimentos e suas palavras. Geralmente, as palavras revelam o perfil da pessoa mais facilmente, pois, ao falar, é possível deixar transparecer o que a movimenta, como por exemplo: uma pessoa pode ser considerada sinestésica quando você a ouve falar “me arrepiei só de pensar naquela viagem”.

Como associar PNL em vendas

A ideia de conseguir “ler os sinais” da outra pessoa usando as técnicas de PNL para conseguir alcançar uma comunicação mais efetiva tem atraído diversos ramos a desenvolverem técnicas específicas para alcançarem melhores resultados, como por exemplo, em vendas.

As técnicas de PNL

Uma vez identificado o perfil do cliente que estamos negociando, podemos então aplicar algumas técnicas de PNL para vendas. Veja a seguir algumas delas:

  1. Espelhamento: consiste em imitar o cliente, com movimentos parecidos, maneira de sentar, entonação de voz. Isso passa para a pessoa uma confiança maior, pois ela sente empatia com o vendedor.
  2. Olho no olho: procure conversar olhando nos olhos e estando sempre direcionado para o cliente e na mesma altura dele, para transmitir mais transparência.
  3. Flexibilidade: procure deixar a conversa fluir no perfil do cliente, mesmo que seja desconfortável para você. O importante é o cliente estar confortável para que possa conseguir melhores negócios.
  4. Identificar necessidades: identifique o que o cliente realmente precisa, ouvindo e fazendo perguntas. Feito isso, crie associações positivas entre as necessidades do cliente e os produtos que deseja vender.
  5. Linguagem corporal: preste atenção nos sinais que o corpo do cliente emite para que você identifique possíveis barreiras a serem vencidas. Cliente com medo é cliente que não fecha venda.
  6. Confiança: estabeleça uma relação de confiança entre você e o cliente e, o mais importante, entre você e o seu produto. Se o cliente perceber, mesmo que inconscientemente, que você não acredita que seu produto seja bom o suficiente, ele não fechará a venda.
  7. Fidelização: fidelize seu cliente. Sua venda não termina no momento em que ele compra o produto. Lembre-se de que ele poderá precisar de algo novamente e certamente vai procurar quem ele confia

Gostou das minhas dicas de PNL em vendas? Procure aplicar no seu dia a dia e seja um vendedor de sucesso!

Read More...

Comunicação

5 ações para otimizar a comunicação interna de sua empresa

Não é segredo para ninguém que manter uma comunicação interna eficaz é fundamental para que todos os colaboradores e gestores consigam obter bons resultados e atingir suas metas. Além disso, uma comunicação assertiva pode evitar erros e melhorar a convivência entre as equipes.

Garantir uma comunicação interna eficiente também pode ser uma ótima maneira de motivar o público interno e auxiliar o desempenho da empresa. Algumas atitudes básicas que podem ser implementadas no dia a dia da empresa são fundamentais para melhorar a comunicação.

É importante, por exemplo, manter todos os funcionários informados sobre os acontecimentos da empresa, informar sobre os projetos que estão em andamento e fazer uma boa gestão do conhecimento. E eu estou aqui para te ajudar. Nesse post, trago cinco ações capazes de otimizar a comunicação interna de sua empresa.

Divulgue no lugar certo e do jeito adequado

O primeiro passo para garantir que os colaboradores saibam o que está acontecendo na empresa é definir os meios adequados para as divulgações corporativas oficiais. Podem ser através de e-mail, murais, boletins informativos, jornais, entre outros recursos. Mas lembre-se de que o foco é o colaborador e que os meios e mensagens devem ser adequados à realidade dele. Uma boa dica é optar por apenas dois ou três canais no início e ir inserindo outros à medida que os primeiros forem se consolidando.

Pratique o feedback

Todo diálogo precisa de feedback. Essa prática é fundamental para melhorar a comunicação interna de sua empresa e deve ser constante e contínua (e não apenas como uma ação pontual em momentos de crise, por exemplo).

Através do feedback, é possível, entre outros aspectos, se os funcionários receberam todas as informações, se as mensagens foram transmitidas de maneira adequada e se ainda há dúvidas que devem ser esclarecidas.

Utilize a tecnologia a seu favor

A tecnologia pode ser uma grande aliada para a transmissão de informações ao público. E-mails, softwares e outras ferramentas digitais podem facilitar muito a comunicação, garantindo que seja rápida e eficiente.

Mas preste atenção: o contato interpessoal nunca deve ser deixado de lado. Principalmente em situações de urgência, uma conversa consistente, honesta e transparente pode ser uma boa saída para evitar possíveis desvios de informação.

Esteja aberto para ouvir

É importante que todos se sintam à vontade para discutir ideias e ouvir opiniões. Assim, é fundamental que os envolvidos saibam ouvir atentamente e assimilar adequadamente as informações. Isso evita mal-entendidos e possibilita a descoberta de ideias que podem ser muito úteis para a empresa. Mostrar que você está aberto a ouvir o que os colaboradores têm a dizer também é uma ótima maneira de valorizá-los. Mas a recíproca deve ser verdadeira: eles também precisam aprender a ouvir e dialogar.

Promova a interação em sua equipe

Para melhorar a comunicação interna de sua empresa, permita que os colaboradores interajam entre si. Estimule a discussão de ideias e o promova o alinhamento de expectativas entre os membros. Você pode, por exemplo, realizar reuniões regulares  ou estimular eventos externos mais descontraídos. Isso aproxima os membros da equipe e permite que se comuniquem melhor no ambiente de trabalho.

Espero que as minhas dicas ajudem a otimizar a comunicação interna de sua empresa e, consequentemente melhorar seus resultados!

Gostou? Não deixe de compartilhar a informação com seus amigos em suas redes sociais!

Read More...

Comunicação

Facebook Ads: 5 motivos para investir em campanhas patrocinadas

Vejo muitas empresas que possuem páginas no Facebook. Elas fazem boas postagens, têm um cronograma com temas interessantes, mas os resultados não chegam nem perto do esperado. Isso é comum. Para conseguir maior alcance, entre outros benefícios da rede, muitas vezes é preciso investir em Facebook Ads. Um meio de criar campanhas pagas de acordo com os seus objetivos e o seu público. Ficou curioso e quer saber mais sobre o assunto? Então continue comigo!

Por que investir em Facebook Ads?

1. Atração de novos clientes

Apenas com as postagens orgânicas não é possível atrair seu público nas proporções que você espera. É um processo lento e de longo prazo. Por isso, se você tem urgência e quer resultados expressivos e mais rápidos, é preciso investir no Facebook Ads.

No desenvolvimento das campanhas, você consegue definir o perfil de usuários da rede aos quais seus anúncios serão exibidos. Assim, você tem o anúncio certo sendo visualizado exatamente por pessoas que estão procurando pelo que você oferece. As chances de conquistar novos clientes são muito maiores.

2. Aumento de tráfego para o seu site

Nas campanhas de Facebook Ads, você pode não só escolher o público que vai ver os anúncios, como também o objetivo daqueles anúncios. Dentre as opções, pode ser definido: link de acesso ao site, curtidas na página do Facebook, download de um material, cadastro, entre outros.

Você pode conduzir os usuários do Facebook para o seu site, mas direcioná-los para uma landing page, por exemplo, ou diretamente para uma página promocional. Assim, você tem maiores chances de conversão.

3. Conhecimento do público

O Facebook Ads possibilita que você conheça melhor o seu público. Isso porque ele mostra relatórios de quem são as pessoas que interagiram com seus anúncios, mostrando informações como: gênero, idade, localização geográfica, interesses, entre outros dados.

Sabendo quem é o seu público e a quais tipos de anúncios e conteúdos ele responde, suas próximas campanhas podem ser mais acertadas. E não estou falando apenas de campanhas patrocinadas, mas quaisquer outras ações de marketing digital.

4. Baixo custo em relação aos links patrocinados

No Facebook Ads, você consegue conduzir visitantes ao site da sua empresa por um valor significativamente mais baixo do que campanhas de links patrocinados, como pelo Google AdWords, por exemplo.

Claro que o valor do lance depende da concorrência no seu segmento de atuação, mas campanhas patrocinadas em redes sociais costumam exigir um investimento inferior, sem prejudicar a eficácia da ação.

5. Engajamento com o público

Quando você faz uma boa segmentação, fica mais fácil de conseguir engajamento com seu público, afinal, você está mandando a mensagem certa para o público certo.

Quem vai ver seus anúncios são pessoas que possuem um histórico de perfil e navegação relacionado ao conteúdo dos anúncios ou às características que você destacou na segmentação.

Quando o público está interessado, dificilmente ele deixa de curtir, comentar ou realizar a ação foco da conversão.

Qual é a importância do Facebook Ads para sua empresa?

Desenvolver campanhas patrocinadas é altamente favorável para que sua empresa conquiste uma presença online de valor. Afinal, elas oferecem maior alcance de público. E não qualquer público, mas o ideal, o que procura e se identifica com a sua empresa.

Quer aumentar suas vendas e criar uma imagem forte para sua marca? Invista em campanhas no Facebook Ads. E para ficar por dentro de mais informações como essa siga a página do Vouclicar.com no Facebook!

Read More...

Comunicação

Pequenas empresas: saiba apresentar seu negócio com criatividade!

Você tem uma ótima ideia, um excelente projeto ou produtos e serviços inovadores? Olha, vou dar uma dica, tome nota: Conte para seu público! Já vi muitas pequenas empresas com dificuldades de falar para os clientes em potencial que elas existiam. Parece louco, isso, não?

É como se eles não soubessem que uma empresa é que nem uma pessoa. Ela precisa se apresentar, isso é fundamental! Senão, como ela vai prospectar clientes? Eu nem faço ideia da primeira impressão que alguém teria de uma empresa que não diz nada de si mesmo.

Ah, mas eu tenho certeza de que, com algumas dicas e uma boa dose de criatividade, você vai conseguir mostrar uma imagem positiva da sua empresa para seus futuros clientes e também para os investidores. Acompanhe o que trago hoje para ajudar você!

Objetivos: o que você quer conquistar?

Quando você toma qualquer atitude, ela tem um objetivo, certo? Espero que sim, porque, quanto a mim, tudo que eu faço tem um fim. A sua empresa também precisa definir os dela. Aliás, você precisa fazer isso.

Você precisa dizer a que veio, amigo! E a cada novo produto que acrescentar no seu portfólio, pense nos objetivos que guiam seu negócio. Não se desvie deles, pois eles vão determinar o futuro da sua empresa. Os clientes e investidores precisam saber com muita clareza o que seu negócio almeja.

Público: com quem você quer fazer negócios?

Antes de pensar no que comunicar, pense em para quem você vai comunicar. Vá por mim: você precisa conhecer o seu público para falar algo que desperte o interesse dele. Você vai fazer isso percebendo qual perfil ele possui. Se você souber o que o seu público procura, então vai poder dizer que sua empresa tem isso a oferecer. Entendido?

Uma dica interessante que eu pratico é contar uma história. Se ela não sair da minha experiência, tento fazer isso com um personagem fictício, mesmo. Dou um nome a ele e mostro situações por que ele já passou.

Funciona, acredite. Falo por experiência. O público se coloca no lugar dele e percebe que tem necessidades semelhantes, que entende a situação dele. Percebeu como isso facilita a comunicação?

Conteúdo: o que vai ser dito?

Bom, sabendo o que você quer falar e para quem, falta o recheio. Qual vai ser o conteúdo da sua apresentação? Vamos tentar o seguinte, para ninguém se perder na hora de definir o que precisa ser dito na apresentação, dividiremos o conteúdo e analisaremos por parte. Assim:

Quem é a empresa?

Conte a história da sua empresa. Explique qual sua missão, sua visão e os valores que direcionam cada passo dela.

Quais os produtos e serviços?

Seja rápido e sucinto aqui. Não perca tempo com detalhes nem com especificações técnicas. Acredite no que eu digo: Você vai só cansar seu público. Basta dizer quais são os produtos e serviços que a sua empresa oferece. Inclua algumas fotos; isso vai enriquecer a apresentação.

Equipe: quem faz parte da sua empresa?

Olha, comigo é assim: Se eu for entregar algo especial para uma empresa tratar, quero saber quem vai cuidar daquilo. E quanto mais importante for o que eu tenho que resolver, mais eu me preocupo com isso.

Semana passada levei uma das minhas calças preferidas para ajustar, numa loja de consertos que eu sempre vou. Havia uma profissional nova e ela veio me atender. Claro que eu me senti inseguro! Minha calça é especial, precisava saber se ela ia fazer tudo como eu gosto.

Bom, as pessoas são assim. Elas querem saber quem vai cuidar de seus assuntos. Especialmente se a empresa é iniciante! Então é melhor você ressaltar a experiência dos seus profissionais. Fale um pouco sobre o currículo deles e boas experiências e conquistas.

Contato: como sua empresa pode ser encontrada?

O básico, não? Melhor não esquecer. Não deixe de informar como encontrar a sua empresa. Coloque isso em destaque, informando qual é seu endereço, e-mail, telefone e site, se tiver um.

Objetividade: que tal focar somente no principal?

Sua apresentação precisa ser didática, visual e não pode levar muito tempo. Dez minutos é mais que suficiente para falar sem deixar seu interlocutor entediado nem disperso.

Não esqueça do que falei: seja sucinto! Basta informar o que for relevante e não precisa utilizar termos técnicos demais. Seu público precisa pegar a ideia sem dificuldades.

Diferencial: o que você tem de especial?

Você quer mostrar o que faz de diferente? Não vejo nenhuma objeção. Nada impede que você compare seus serviços com o do seu concorrente. Mostre que você conhece o mercado e sabe das vantagens e dos diferenciais do seu produto.

Só tenha o cuidado de não parecer leviano nem desleal. Foque mais em exaltar as suas vantagens que em desqualificar seu concorrente. E se você tiver algum ponto fraco, principalmente caso o seu público já saiba disso, nem pense em ocultar! É bem melhor ressaltar as formas como ele pode ser superado.

Melhor ser sempre verdadeiro e honesto com seu interlocutor. Aponte metas e previsões, mas não seja otimista em excesso para não soar como um enganador diante do seu público.

Visual: como preparar a apresentação?

Grande parte das apresentações presenciais usam slides como base. Eu mesmo faço isso! Eles realmente ajudam, mas não se pode esquecer que são somente um suporte. Nada de ficar lendo o que está escrito: seu público sabe ler.

Falando mesmo a verdade, você nem precisa usar tantas palavras. Não mesmo, quando se tem recursos visuais muito bons como ilustrações, gráficos e imagens. Eles são muito mais atrativos e eficazes em passar o recado.

Você também não pode passar a impressão de que a mesma apresentação é utilizada em toda e qualquer situação. Se parecer genérico demais, seu público pode pensar: “Eu não sou especial? Não mereço algo personalizado?” Faça com que ele tenha a sensação de que o material foi feito exclusivamente para ele.

Siga meu exemplo: monte um roteiro, prepare uma história para ser contada durante a apresentação. Uma bem envolvente, com princípio, meio e fim, e com uma boa dose de emoção.

Lembre-se de que o apresentador é o verdadeiro protagonista e precisa ter a história toda na cabeça. O material? Ele vai ser apenas um complemento para prender a atenção do público, facilitar o entendimento e fixar suas informações.

Diálogo: como pequenas empresas se comunicam?

Sabe quando a comunicação é mais interessante? Quando um dos lados não monopoliza o discurso. A conversa pode ter mão dupla e o público, com certeza, vai ter perguntas a fazer. E isso é bom! Encoraje e dê espaço para que as dúvidas sejam apresentadas e possam ser sanadas da melhor maneira, para que tudo fique o mais claro possível.

Se achar melhor, o apresentador pode avisar, ainda no início, que as possíveis dúvidas ficaram para o final, com um tempo reservado especificamente para isso.

Sabe aquele discurso vendedor, que parece muito um anúncio? Passe longe! A experiência tem me dito que o apresentador educado, polido, com naturalidade conquista muito mais que um vendedor insistente.

Eu espero, de verdade, que com essas dicas tenha ficado mais fácil apresentar seu negócio e atrair a atenção do seu público. Pequenas empresas precisam se comunicar o máximo e melhor possível para aumentar cada vez mais o sucesso de seu negócio. Depois de tudo que você aprendeu hoje, eu sugiro que dê uma olhada num artigo em que falo em que redes sociais você pode investir, de acordo com seu negócio. É bem interessante e vai ajudar sua empresa a destacar!

Read More...