Empreendedorismo

Aluguel de loja virtual é uma boa opção de negócio online?

Parte estrutural e técnica é toda desenvolvida pela empresa que disponibiliza o serviço para empreendedores que desejam vender na internet.

Vender na internet tem sido sinônimo de ser um bom negócio online e realmente é. Tem muita gente migrando do mundo físico para fazer parte da rede mundial e lucrar com esta plataforma, mas acontece que algumas dificuldades travam os empreendedores que não sabem mexer com a tecnologia.Ou travavam.

Você já ouviu falar de aluguel de loja virtual? Pois é, esse sistema aqui é bem parecido com uma locação de uma loja física, mas é que claro que os serviços prestados aqui são outros.

Podemos tratar esta opção como algo rápido e fácil para quem quer montar e fazer um bom negócio online.

 

Como funciona o aluguel de loja virtual?

Para colocar todo um sistema online de vendas, compras e até de transações, é preciso um conhecimento avançado na parte de sites e outras plataformas que são necessárias para este fim.

Algumas empresas apostam hoje no aluguel de loja virtual para oferecer aos empreendedores digitais um serviço técnico e funcional, que retira a preocupação específica dessa construção da loja online e entrega o site de vendas praticamente organizado, permitindo inclusive que o próprio usuário administre apenas a vitrine da sua loja online.

Normalmente, as plataformas que oferecem a locação da loja virtual são sistematizadas,padronizadas e encontradas em pacotes mensais. Quem quiser uma assistência maior encontra também serviços específicos, mas basicamente a organização técnica do site já vem pronta para quem deseja vender na internet.

 

Custos do aluguel de loja virtual

Os planos e as empresas que oferecem este tipo de serviço variam muito. Você encontra hoje no mercado valores simbólicos como R$ 30 mensais de locação, bem como valores mais altos.

Além do serviço de locação, é possível ter alguns produtos e assistências a parte, o que certamente vai acrescentar no custo. Antes de tomar qualquer decisão e escolher um plano, considere alguns pontos importantes do seu negócio, principalmente se você for começar a vender na internet agora.

 

Como escolher a plataforma de loja virtual certa

Para se ter um bom negócio online, você precisa estruturar bem a ideia do que vai fazer, qual área vai entrar e o que o segmento oferece hoje na rede mundial. É sempre importante orçar os serviços que serão precisos para colocar sua loja virtual no ar.

Pesquise então os planos e as empresas disponíveis e analise seus diferenciais. Tendo essas informações em mãos, é hora de analisar o seu projeto e o que de fato você vai precisar para construir sua presença online.

Todo ato de empreender vai envolver investimento, seja alto ou baixo. Neste caso, é preciso analisar qual sua disposição no momento e se vale a pena este passo. Por exemplo, quem quer vender apenas um produto específico, não precisa fazer uma grande loja, logo não precisa alugar um espaço online.

Do contrário, a venda de produtos variados precisa ter uma estrutura forte e profissional e isso só é possível por dois caminhos: contratando um profissional ou optando pelo aluguel de loja virtual.

Nenhuma das duas hipóteses podem ser descartadas logo de cara. Pesquise mais e compare também os valores, o que a empresa de locação e o profissional vão oferecer por meio de seus serviços.

 

As principais vantagens do aluguel de loja virtual

Para vender na internet não é preciso só ter apenas um site, é preciso que ele ofereça recursos variados, incluindo uma ótima navegação do usuário. Algumas empresas que oferecem o aluguel de loja virtual dão ao empreendedor algumas ferramentas fundamentais que vão ajudar o negócio a dar certo.

Com um programador individual, alguns instrumentos sairiam com um alto investimento. Do contrário, as plataformas estruturadas podem te oferecer ferramentas incríveis e com um custo mais em conta, como é o caso da inserção de chat online e central de atendimento.

Além disso, essas empresas disponibilizam materiais para que o contratante deste serviço possa aprender a mexer na parte básica dessa estrutura da loja virtual.

Já que a parte estrutural não ficará em suas mãos, aproveite este tempo que ganhou para se dedicar a outros pontos importantes deste projeto e para que ele se torno um bom negócio online.

O marketing digital, por exemplo, pode ser um ferramenta ótima para alavancar suas vendas e estudar um pouco da área pode abrir sua mente para pontos importantes, como as técnicas de SEO, as palavras chave que são usadas no seu site e que facilitam para que os buscadores como o Google possam te encontrar mais rapidamente.

Read More...

Empreendedorismo

Vendas online – Faça a escolha certa

O ano mal começou e as vendas online já começaram enfrentando novos desafios, se você não está sabendo, eu recomendo que busque por novas leis do ICMS.

Quem quer vender pela internet precisa estar ligado nas notícias tanto sobre o mercado digital, quanto burocracias legais e novas tecnologias. Você não pode simplesmente cadastrar seus produtos e ficar sentado esperando que alguém compre.

Algumas pessoas acham que lojas virtuais são como vender melancia na estrada, que você para o caminhão no acostamento, abre a lateral e fica sentado esperando alguém passar e querer comprar, e olha que se der fome ou sede ainda pode comer uma melancia para matar o tempo. Quem simplesmente cadastra os produtos na loja virtual e deixa lá, são as pessoas que não fazem vendas.

Para vender na internet você precisa antes de qualquer coisa, fazer uma boa escolha do que será vendido. Você nunca terá sucesso disputando lugar com grandes marcas, dificilmente você terá preço e condições de pagamento tão boas. Talvez a qualidade do seu atendimento seja melhor, mas isso não será suficiente. Gente que escolhe para vender pela internet produtos difíceis de transportar, também não tem uma vida tão fácil.

Mesmo que você tome todas as medidas necessárias, se o seu produto é frágil, algum dia você terá prejuízo. Se você vende cervejas artesanais, por exemplo, e tiver um prejuízo de R$50 com uma garrafa quebrada, mais o valor do reenvio, ok. Você até pode prever nas suas contas um ou dois prejuízos desse tipo por mês. Agora se você vende lustres de R$ 4.ooo e tiver a mínima chance do seu produto estragar no transporte, você terá um prejuízo enorme. Inevitavelmente acidentes desse tipo vão acontecer algum dia, tomara que o lojista não tenha azar de ser justo com o lustre mais caro.

Esses pequenos detalhes precisam ser avaliados na hora que você tiver escolhendo o que vender. Pense em produtos de fácil transporte e armazenamento. Quem escolhe produtos saturados no mercado, só consegue aumentar o stress, vai ser muito esforço para poucas vendas. A escolha certa do produto também implica em escolher algo que dê lucro, não adianta um produto que você bem, trabalha muito e ganha pouco. Com certeza não era assim que você imaginava que seria vender na internet.

 

Para conseguir vender e pagar as contas no final do mês existe uma série de itens que você precisa estar atento. Hoje nós focamos na escolha do produto, porque um produto ruim pode definir o destino do seu negócio na internet. Se você já vende pela internet, avalie se fez a escolha certa e se tem chances de crescer com este produto que está vendendo. Se você ainda não tem loja virtual, pesquise sobre o mercado digital e sobre o mercado do produto que você quer vender para saber se está fazendo a escolha.

 

É possível ganhar dinheiro com vendas online, agora não se iluda achando que todo dono de e-commerce é rico. Existe uma parcela muito pequena do comércio eletrônico que faz mais de 30 pedidos por mês, eu chamo eles de Elite do Comércio Eletrônico. A diferença é que com pequenos ajustes alguns lojistas podem fazer parte dessa elite.

Basta pensar, e trabalhar cada detalhe do e-commerce, layout, SEO, fotos, descrição, vídeos para produtos. É coisa demais para uma pessoa só fazer. Se você tiver poucos produtos no site, talvez um dia consiga configurar tudo corretamente. Agora se você tiver produtos demais, com 1 ou 2 unidades cada, você nunca vai conseguir terminar de configurar corretamente cada produto.

Você vai passar o mesmo trabalho para configurar produtos com 2 ou 10 unidades. A diferença é que 10 unidades demoram a serem vendidas e você pode anunciar este produto até que o estoque acabe. Já quando se tem apenas 2 unidades do produto, o anúncio mal foi pro ar e o produto já está esgotado. E você precisa de um novo anúncio.

Se você quiser uma vida fácil, de ficar sentado esperando alguém chegar e comprar seu produto, largue a internet de mão, compre um caminhão e vá vender melancias.

Read More...

Tecnologia

Como montar uma loja virtual barata

Hoje vou responder a pergunta que não quer calar, como montar uma loja virtual barata.

Primeiro vou estabelecer esse “barato” porque na maioria das vezes o que é barato para uns, acaba sendo caro para outros. Então, aqui no texto vamos considerar que “barato” vai ser o custo mínimo por um serviço bem feito. A maioria dos serviços baratos que você encontra por ai, é como um mecânico ruim, você sempre leva o carro lá porque é mais barato, mas você precisa voltar toda semana o que não aconteceria se você levasse naquele mecânico que considera “caro”.

Pense comigo, o que é melhor, um serviço de baixo custo, mas que você precisa pagar toda semana, ou um serviço de custo um pouco mais elevado que você paga uma vez e resolve o problema? A resposta parece óbvia, mas muitas pessoas ainda se deixam levar pelo barato, como aquelas promoções de supermercado, onde as pessoas preferem comprar o produto que custa R$5,90 porque ele está mais barato que o que custa R$6. As pessoas costumam ignorar os R$0,90 centavos e considerar que um produto custa R$5 e o outro custa R$6, quando na verdade a diferença entre um e outro é de apenas R$0,10 centavos, ou seja, essa diferença só vai afetar o seu bolso se você comprar uma quantidade muito grande do produto.

Agora que já definimos o que realmente é barato, vamos falar de outro truque que costuma atrair marinheiros de primeira viagem, não se deixe levar pelo grátis. Ninguém trabalha de graça, isso você pode ter certeza. Então se alguém está te oferecendo algo gratuito, observe todas as condições, se o serviço gratuito tem limitações, ou se a versão gratuita tem um tempo limitado de uso. Leia todas as letras miúdas, às vezes o grátis acaba saindo mais caro do que você imagina, então fique de olhos bem abertos para não ser enganado.

Plataformas gratuitas são as que mais atraem os novos e-lojistas, mas lembre-se uma plataforma sem suporte não é de grande ajuda, a menos que você mesmo possa ser o programador e resolver todos os possíveis bugs da loja. Se você tiver que contratar alguém para trabalhar como suporte, essa plataforma já não é tão gratuita assim. Talvez seja mais vantajoso alugar uma plataforma que já tenha o atendimento incluído no preço do aluguel mensal.

Uma ferramenta gratuita que funciona bem para plataformas de e-commerce, são os chats para atendimento da loja virtual, claro que a ideia é que a loja cresça e com uma procura maior acabe migrando para os planos pagos, mas de início você pode se virar muito bem com versões gratuitas.

Para ter uma loja virtual barata, você pode economizar em alguns custos, sempre cuidando para o barato não sair caro. Os produtos precisam sempre ser embalados com segurança, mas você pode ir atrás do custo mais baixo da embalagem, claro, sem perder na qualidade. Você também pode baratear bastante os custos de aluguel, usando sua sala, ou sua garagem como escritório da loja virtual. Se for necessário alugar um espaço, não precisa ser um ponto comercial na parte mais movimentada da cidade, afinal você não vai receber clientes neste endereço.

Se você precisar da ajuda de funcionários, já no início da empresa, para atender clientes, embalar e enviar produtos, veja a disponibilidade da sua empresa em contratar um estagiário ou um menor aprendiz, é uma mão de obra mais barata, que não vai perder em qualidade. A menos que você precise de mão de obra muito específica como designer ou programador.

As fotos dos produtos podem ser feitas por você mesmo desde que fiquem com qualidade e mostrem todos os atributos do produto, assim você já economiza com fotografo também. Se o seu smartphone tiver uma câmera boa, você nem precisa investir em uma câmera profissional. Seja sincero com você mesmo, um foto toda pixelada e desfocada não deve ir para a sua loja virtual. Você pode economizar na hora das fotos, mas isso não significa ter fotografias ruins.

No início você pode estudar as técnicas de SEO e aplicar você mesmo na sua loja, profissionais desse ramo costumam custar caro. E se você não souber nada sobre o assunto, não vai conseguir nem avaliar se o profissional que contratou está fazendo um trabalho bem feito. Deixo aqui embaixo uma playlist de vídeos sobre SEO, são técnicas para busca orgânica.

 

Mas isso não quer dizer que você possa ficar sem anunciar sua loja, lojas virtuais precisam ser encontradas e para isso você precisa se valer de todos os métodos, busca orgânica, busca paga, publipost, face ads, e etc. Depois que você descobrir qual desses traz mais resultados, concentre uma verba maior neste canal, vá testando, mas lembre-se: não faça um anúncio só para testar se essa mídia funciona, faça um anúncio com objetivo, e o quanto você alcançar desse objetivo é que vai te dizer se essa mídia funciona ou não. Porque quem faz um anúncio para testar a mídia, sem objetivo, só coloca dinheiro fora.

A resposta que encontramos para a pergunta inicial é que não existe loja virtual barata, você pode apertar o orçamento um pouquinho aqui e ali, mas tem coisas que você não pode abrir mão, como o marketing e plataforma. Lembrando que o mais importante de tudo é a estratégia que você usa para vender, ela que vai levar seu e-commerce ao sucesso.

 

Read More...

Tecnologia

A gamificação como estratégia para o comércio eletrônico

A gamificação é um assunto em alta, porém algumas pessoas ainda têm dificuldade de entender o que exatamente é, e como transformar em estratégia para o seu negócio.

Gamificação é a aplicação de estruturas e mecânicas de design de jogos em outros contextos, que não são jogos. Esta estratégia tem sido destacada por especialistas do setor, como uma das mais importantes tendências em tecnologia. A Gamificação pode potencialmente ser aplicada a qualquer tipo de negócio para criar experiências divertidas e atraentes, convertendo usuários em jogadores. Grandes marcas já estão utilizando esta estratégia, confira os cases de Nike, Fiat e Botícário.

O diferencial da gamificação é o seu grande potencial de criação de conteúdo em conjunto com os clientes, de incentivar o cadastro e o acompanhamento das novidades da sua loja virtual, e principalmente de gerar o compartilhamento de links, aumentando a visibilidade, o número de conversões de sua página e fortificando comportamentos de compra. Há diversas possibilidades para a sua empresa ou loja atingir seus consumidores de maneira mais direta, mais lúdica.

Nem sempre quando você utiliza a gamificação como estratégia você precisa criar exatamente um jogo, existem várias outras formas de aplicar esse contexto, na Camiseteria, por exemplo, cada artista tem um perfil que mostra quantas estampas enviadas e quantas estampas aprovadas ele tem. Não é exatamente uma competição, mas todos que se cadastram como artistas podem comparar suas estatísticas com outros artistas, exatamente como funciona com aqueles jogos que de cartas, onde vence quem tem mais poder. Porém não é um jogo, é um e-commerce de camisetas.

A gamificação é uma estratégia recomendada para empresas que conhecem seu público e já estão estabelecidas no mercado, pois é uma estratégia de longo prazo. O retorno e o engajamento do público podem demorar para acontecer.

Um exemplo básico de gamificação no e-commerce é um sistema de milhagens, conforme o cliente for comprando ele acumula pontos que podem valer brindes ou virar desconto para compras futuras. Se o seu nicho é futebol, você pode contar gols ao invés de milhas e definir que cada R$5 equivalem a um gol.

Existem muitos tipos de jogos, prêmios, concursos, troféus e outras formas de reconhecimento. Se o seu “jogo” não tem nada a ver com a sua marca ou seu setor, ele só irá confundir as pessoas. Além disso, certifique-se que é adequado para o seu público, uma vez que consumidores, empresas e clientes em faixas etárias diferentes, se comportam de forma muito diferente. Os Recursos da gamificação são muito úteis para guiar os seus usuários para as ações que fazem sentido para o seu site, como encher o carrinho, compartilhar lançamentos, e qualquer outra ação que se converta em retorno financeiro para você.

Assim como nos jogos, a estratégia de gamificação precisa gerar alguma recompensa para o cliente, nem todos gostam de “jogar” apenas por jogar. Avalie o que conta mais para o seu público status social, desconto, brinde. Assim como o E-bit avalia suas lojas, você também pode dividir seus clientes em bronze, prata, ouro e diamante, dependendo do número de pedidos de cada um.

As pessoas gostam de completar um jogo e chegar ao nível superior, mas elas adoram muito mais um desafio. É muito mais motivador para que os “jogadores” realmente se motivem para alcançar resultado, do que alcançá-lo com um pequeno esforço. Recompensas de primeiro nível são importantes para desencadear o interesse dos jogadores a seguirem no jogo e continuarem em busca de novas conquistas.

A Gamificação é uma técnica sólida, porém cada caso é um caso, cada negócio funciona diferente do outro. É o tipo de coisa que pode dar certo muito rápido, mas também dar errado muito mais rápido. E aí todo seu investimento vai por água abaixo. Lembre-se que como qualquer outra estratégia de marketing, é preciso muito planejamento. Caso contrário, não reverterá no seu principal objetivo: vendas.

Read More...

Tecnologia

Quando 1 vale mais que 100 no seu e-commerce

Abrir um negócio não é fácil. O primeiro negócio, então, é ainda mais difícil.

As dificuldades para quem está começando são diversas: o tempo e a energia para se dedicar ao empreendimento, experiência em administrar um negócio, e também o dinheiro disponível para fazer a roda girar. Em um e-commerce, a escolha dos produtos a serem vendidos é uma etapa fundamental para que o empreendimento realize suas vendas ou faça parte da triste estatística, onde 70% das lojas virtuais realizam apenas dez (ou menos) pedidos por mês.

Mas como escolher o produto ideal para sua loja virtual? Essa pergunta não vale um milhão de dólares, mas pode garantir o sucesso da sua empresa. A resposta vem através da segmentação do mercado.

 

Um produto bem escolhido para ser o carro-chefe da sua empresa é essencial para quem está iniciando. Quem está abrindo uma micro ou pequena loja virtual, geralmente, busca contemplar em sua loja virtual um mix de produtos tão amplo quanto o de grandes empresas do ramo. Acontece que este empreendedor não possui o mesmo pessoal, energia e (principalmente) capital para bater uma grande empresa e, mesmo assim, insiste em parecer uma grande empresa. Vou dar então um conselho:

Não é feio, nem ruim, ser pequeno.

Quem está começando com uma loja virtual, precisa sempre desembolsar alguma grana. E quem é micro ou pequeno empreendedor, tem o orçamento contado e sabe que gastar e investir em algo é sempre “dolorido pro bolso”. Focar em um produto é uma vantagem para o iniciante, pois assim ele tem o poder de barganhar com o fornecedor, já que ele irá comprar em uma quantidade maior. Geralmente ele irá ouvir, e até mesmo aceitar a proposta, já que é muito mais fácil para o fornecedor entregar um pedido com, digamos, cem unidades do que com vinte.

Além disso, a energia gasta para cadastrar os produtos de forma correta é muito grande. Dou como exemplo um caso que já aconteceu comigo, há muito tempo atrás. Eu tive um e-commerce de roupas femininas, e trabalhava com diversos fornecedores e com um mix de produtos bem extenso. Acontece que uma loja de roupas femininas trabalha com coleções e, quando eu terminava de cadastrar bem uma coleção, já chegava outra e meu gasto de tempo naquela função nunca diminuía.

Para um produto vender bem em uma loja virtual, ele precisa cumprir um checklist composto de diversos detalhes, que fazem com que o comprador se interesse e não tenha nenhuma dúvida quanto à sua compra. Cadastrar um produto corretamente, conseguir boas fotos e uma descrição que vá além da oferecida pelo fornecedor, além de gravar vídeos com tutoriais ou dando dicas de uso, são importantes para que ocorra uma boa venda e a loja se destaque da concorrência. Agora, imagina fazer isso com cem produtos!

Trabalhar com apenas um produto também é muito mais fácil quando o assunto é armazenamento. Quando o mix é maior, variedade de tamanhos, volumes e cuidados na estocagem precisam de cuidado (e organização) redobrados.

Lembre-se sempre: se você está começando, cada minuto é muito importante para poder tocar o empreendimento em frente e fazê-lo crescer. Não tenha medo de começar com pouca coisa. Seja pequeno e sonhe grande!

Read More...